Tomemos cuidado com o tempo…ou a falta dele…

Três Perigos a Evitar Quando Você Está Super Ocupado

Kevin DeYoung13 de Agosto de 2014 – Vida Cristã

Por mais agitada e frustrante que a vida moderna possa ser, os maiores perigos não são as inconveniências materiais ou temporais. Uma pessoa pode fazer trabalho físico por doze horas diárias, seis dias por semana, a vida inteira e não sofrer por isso. Na verdade, ele (ou ela) poderá ser mais saudável ao fazer isso. Mas se o esforço for mental — como é o caso da maioria dos empregos e para a maioria de nós — os efeitos negativos sobre o corpo poderão ser gigantescos.7 Assim, não ignore o perigo físico de estar ocupado demais. Mas lembre apenas que as ameaças mais sérias são os perigos espirituais. Quando estamos ocupados como loucos, colocamos em risco nossa alma. O desafio não é apenas fazer desaparecer alguns maus hábitos. O desafio é impedir que as nossas vidas espirituais desvaneçam. Os perigos são sérios e crescentes. Poucos entre nós estão tão seguros quanto pensamos.

O primeiro perigo é que estar ocupado demais pode estragar nossa alegria.

Esta é a ameaça espiritual mais imediata e óbvia. Como cristãos, nossas vidas deviam ser caracterizadas pela alegria (Filipenses 4.4), com sabor de alegria (Gálatas 5.22) e cheias da plenitude da alegria (João 15.11). Ocupação em demasia ataca tudo isso. Um estudo diz que pessoas que viajam diariamente a serviço experimentam maior nível de estresse do que pilotos de aviões de bombardeio ou policiais.8 É isso que estamos enfrentando. Quando nossa vida está frenética e desvairada, somos mais propensos à ansiedade, ressentimentos, impaciência e irritabilidade.

Enquanto eu trabalhava neste livro, pude perceber em meu interior um espírito melhorado. Não por meus escritos, mas pelo tempo de folga que recebi para fazer o trabalho de escrever. Durante aquelas semanas sem as pressões de viajar, reuniões e constante preparo de sermões, descobri estar mais paciente com meus filhos, mais atento e sensível para com minha esposa, mais disposto a ouvir de Deus. É óbvio que todo mundo tem semanas e meses em que tudo que pode dar errado, e dá mesmo errado. Nesses períodos teremos de lutar com força para ter alegria no meio de muita ocupação. Mas poucos de nós lutarão agora mesmo em prol da alegria da próxima semana, enfrentando os hábitos desnecessários de ocupação atarantada que tornam a maioria das semanas em infeliz perturbação.

Há muitos anos escutei uma entrevista com Richard Swenson, médico cristão, sobre o conceito de “margem”. Não existe nada singularmente cristão sobre a ideia em si; mas existe algo muito anticristão em ignorá-la. “Margem”, diz Swenson, “é o espaço entre nosso fardo e nossos limites”. Planejar com margem significa planejar para o não planejável. Quer dizer que entendemos o que é possível a nós, criaturas finitas, e então agendamos para menos que isso!

No ano que se passou, percebi que eu não planejara nenhuma margem em minhas semanas — na verdade, tenho uma margem reversa. Olho para a próxima semana e antes de surgir qualquer interrupção ou novas oportunidades ou empecilhos, já tenho ideia de como conseguir fazer tudo. Vejo o agendamento das reuniões, os sermões que terei de preparar, os e-mails que preciso escrever, os blogs que tenho de postar, os projetos que tenho de completar, as pessoas que tenho de atender, e calculo que, se tudo der certo, ou um pouco melhor do que esperado, consigo espremer tudo na agenda. Mas, claro, não existem semanas ideais, e acabo sem nenhuma margem para absorver as surpresas. Então, eu corro, me arraso, e ocupando-me loucamente, boto a mão na massa. É só isso que consigo fazer naquele momento, porque não planejei melhor semanas atrás.

A ocupação desenfreada é como o pecado: mate-o ou ele vai matar você. Todos nós caímos num molde previsível. Começamos a nos sentir sobrepujados por um ou dois grandes projetos. Depois ficamos arrasados com o desgaste e perdemos esperança de encontrar novamente a paz e juramos que temos de mudar as coisas. Aí, duas semanas mais tarde, a vida parece mais suportável e esquecemos o que juramos até que o ciclo se repita novamente. Não percebemos que o tempo todo temos sido uns desgraçados sem alegria, retrucando sem dó e sendo pessoalmente simpáticos tanto quanto um gato arredio. Quando a ocupação vai atrás da alegria, vai contra a alegria de todo mundo.

O segundo perigo é que essa ocupação desenfreada pode roubar o coração.

O semeador jogou a semente com liberalidade. Algumas sementes caíram à beira do caminho e as aves devoraram tudo. Algumas caíram em chão rochoso e brotaram rapidamente, mas murcharam com o calor do primeiro sol ardente. Algumas sementes caíram entre os espinhos que sufocaram sua frágil vida. Nesta parábola de Jesus, há uma clara progressão (Marcos 4.1–20). Em alguns corações, a Palavra de Deus nada faz. Satanás a tira, logo que acabou de ser plantada. Em outros corações, de início a Palavra cresce, mas desvanece tão depressa quanto cresceu. As perseguições e provações colocam o possível cristão fora de ação. Mas na terceira categoria de falta de sucesso no plantio, a Palavra penetra mais fundo. A planta brota, chega quase ao ponto de produzir fruto. Parece que a terra é boa. Vida nova aparentemente está formando raízes. Tudo está a caminho para uma boa colheita. Até que surgem os espinhos.

João Calvino disse que o coração humano é “uma espessa floresta de espinhos”.10 Jesus dá nome específico a dois deles. O primeiro ele chama de “os cuidados deste mundo” (Marcos 4.19). Você sabe por que retiros, viagens missionárias, acampamentos e conferências cristãs quase sempre fazem bem para nosso crescimento espiritual? Porque para participar deles, temos de liberar nossa agenda. Você sai. Deixa de lado sua insanidade normal para um final de semana e encontra espaço para pensar, orar e adorar a Deus.

Para a maioria de nós, não é a heresia ou apostasia que fazem nossa fé sair dos eixos. São as preocupações da vida. Você tem de consertar o carro. O aquecedor de água pifa. A criançada precisa ir ao médico. Você ainda não conseguiu fazer sua declaração de imposto de renda. Sua conta no banco está sem saldo. Você se atrasou em escrever notas de agradecimento. Você prometeu à sua mãe que iria para a casa dela dar um jeito de consertar a torneira. Você está atrasado no planejamento para seu casamento. O concurso ou seu exame da OAB está chegando. Tem de mandar imediatamente mais currículos. O prazo da sua dissertação de mestrado está se esgotando. O tanque está vazio. O gramado precisa ser aparado. As cortinas da casa não estão colocadas. A lavadora de roupa está sacudindo e fazendo um barulho assustador. Esta é a vida para a maioria de nós, e está sufocando nossa vida espiritual.

Um segundo espinho está relacionado ao primeiro. Jesus diz que a obra da Palavra é engolida pelo desejo por outras coisas. As coisas em si não são o problema. O problema é tudo que fazemos para obter essas coisas, cuidar delas e conseguir cada vez mais. Não é de admirar que as pessoas mais estressadas do planeta vivam nos países mais ricos? Casas de veraneio, barcos, pacotes de férias, investimentos, imóveis, motocicletas incrementadas, carro novo, casa nova, computador de última geração, novos vídeo games, nova maquiagem, novos DVDs, novos downloads, novo — tudo isso leva tempo. Ouvimos sermões sem conta sobre os perigos do dinheiro, mas o perigo verdadeiro vem depois que você gastou seu dinheiro. Uma vez que você seja o proprietário, tem de fazer a manutenção, mantê-lo trabalhando e ficar atento para as últimas melhorias. Se as preocupações na vida não nos afundam, a manutenção consegue fazer isso!

Jesus sabe do que está falando. Por mais que oremos contra o diabo e oremos pela igreja perseguida, no pensamento de Jesus a maior ameaça ao evangelho é a mera exaustão. A situação de estar ocupado demais mata mais cristãos do que balas. Quantos sermões perdem seu poder por causa de excessivas preparações de almoços ou jantares e jogos de futebol profissionais? Quantos momentos de dor são desperdiçados porque nunca paramos tempo suficiente para aprender com eles? Quantas vezes o culto particular e familiar foi esmagado por projetos de escola ou jogos de futebol? Precisamos guardar, vigiar o coração. A semente da Palavra de Deus não cresce para frutificação sem ser podada por repouso, calma e quietude.

O terceiro perigo é que estar ocupado demais pode encobrir a podridão de nossa alma.

O compasso agitado da vida pode nos tornar física e espiritualmente doentes. Provavelmente isso não é surpresa para você. O que talvez não reconheçamos é que nossas agendas amalucadas muitas vezes são sinal de que um mal já se instalou.

Desde 2002 tenho me reunido a cada outono com alguns amigos do seminário. Nove dentre nós nos reuníamos semanalmente quando cursávamos o Gordon-Conwell, e quando nos formamos, fizemos um compromisso de nos encontrarmos uma vez ao ano. Comemos bastante, rimos muito e assistimos muito futebol. Também conversamos sobre nossas alegrias e lutas dos últimos doze meses. Com o passar dos anos temos observado temas conhecidos de cada um de nós. Talvez um esteja lutando com o descontentamento, outro com desânimo, outro com que direção tomar e outro com pressões relacionais no trabalho. Todos nós temos pecados que nos afligem e questões previsíveis. O meu pecado tem sido andar ocupado demais. Quando chega a hora de compartilhar, todo mundo já espera que vou falar o quanto tenho para fazer e que não sei o que eliminar da minha vida.

Embora possa soar nada saudável alguns homens crescidos continuarem lutando com os mesmos problemas ano após ano, o sinal saudável é que começamos a nos responsabilizar mais por essas dificuldades. Reconhecemos que se as mesmas questões atingem os mesmos homens todo ano, talvez a questão central esteja dentro de cada um de nós. O que diz a meu respeito o fato de que estou frequente e completamente dominado por esta questão? O que preciso aprender sobre mim mesmo? Quais as promessas bíblicas em que não estou crendo? Quais os mandamentos divinos que ignoro, quando deveria estar obedecendo? Que mandamentos autoimpostos eu estou obedecendo, quando deveria ignorá-los? O que está acontecendo dentro de minha alma para, durante todo ano, estar ocupado que nem louco ser a minha principal característica?

A presença de ocupação extrema em nossa vida pode estar apontando para problemas mais profundos — insidiosa tendência de agradar sobretudo às pessoas, ambição implacável, um sentimento de mal-estar, de falta de significado. “Ocupação em demasia serve como uma espécie de segurança existencial, um muro contra o vazio”, escreve Tim Kreider em seu artigo viral, “The ‘Busy’ Trap”, [A armadilha do ocupado] para o New York Times. “É óbvio que a sua vida não pode ser tola, trivial ou sem sentido se você estiver atarefado, de agenda completamente cheia, procurado para atender algo em todas as horas do dia”.O maior perigo com estar ocupado que nem louco é que podem existir perigos que você nunca teve tempo de considerar.

“Super ocupado” não significa que você seja um cristão fiel ou frutífero. Só quer dizer que você está ocupado, como todo mundo. E, como todo mundo, a sua alegria, o seu coração, a sua alma estão em perigo. Precisamos da Palavra de Deus para nos libertar. Precisamos de sabedoria bíblica para nos endireitar. O que realmente necessitamos é que o grande médico cure nossas almas exageradamente agendadas.

Se apenas pudéssemos tirar tempo para uma consulta!

Fonte: trecho do livro “Super Ocupado”, futuro lançamento da Editora Fiel.

Deus as vezes nos pega no colo.

Deus as vezes nos pega no colo.

Uma noite eu tive um sonho:
Sonhei que estava andando na praia com o Senhor, e através do céu, passavam cenas da minha vida. Para cada cena que se passava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia; Um era meu e o outro era do Senhor. Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia, e notei que muitas vezes, no caminho da vida, havia apenas um par de pegadas na areia.
Notei também que isto aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. Isso aborreceu-me.

Então perguntei ao Senhor:
– Senhor, Tu me disseste que, uma vez que resolvesse Te seguir, Tu andarias sempre comigo, em todo o meu caminho, mas notei que durante as maiores tribulações do meu viver, havia apenas um par de pegadas na areia. Não compreendo porque nas horas em que mais necessitava de Ti, Tu me deixastes…

O Senhor respondeu:
– Meu precioso filho, eu te amo, e jamais te deixaria nas horas de tua prova e de teu sofrimento. Quando vistes na areia apenas
um par de pegadas, foi exatamente aí, que eu te carreguei nos Braços.

É assim que me sinto protegido por Deus.

Parece que estou só.

Parece que estou só.

Quantas vezes ficamos envergonhados por saber que desconfiamos de Deus quando deveríamos confiar plenamente nele. As vezes a vida está tão atribulada, tão difícil que parece mesmo que ele nos abandona. Sofremos tanto, choramos, sentimos dor, passamos por lutas e dissabores e Deus onde está ? Ele parece as vezes dormir como dormiu no barco dos discipulos certa vez sobre o mar da galiléia durante uma grande tempestade. O barco estava já afundando e Jesus dormia um sono profundo sem sequer se importar com aquela tempestade. Parece que ele as vezes se esquece mesmo de nós. Mas hoje eu creio que ainda que ele pareça me desamparar eu posso ter certeza de que nos momentos mais dificeis quando não puder suportar ele me pegará no colo e me conduzirá pelas águas tranquilas e me fará repousar em paz, pois ele me prometeu jamais me abandonar. E eu creio nas promessas de Deus pois ele nunca falhou e jamais falhará.

Não haverá como escapar desse dia.

Não haverá como escapar desse dia.

A Biblia diz que todo joelho haverá de se dobrar diante de Deus não importa a cor, a religião, a condição financeira ou outro atributo qualquer relacionado a pessoas. Todos sem exceção irão se prostrar diante do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores no ultimo dia ao ressoar da ultima trombeta quando já não houver mais tempo pra nada, a cortina dessa vida se fechará e terá inicio então a ultima cena deste mundo, o juizo final. Muitos vivem hoje como se não devessem nada a Deus, como se donos fossem dos próprios “narizes” e como tais pudessem viver da maneira que lhes agrada. Sim, é possivel viver assim, pois você é “livre” para ir e vir e fazer o que lhe der vontade. Seu orgulho te faz melhor que os outros, sua presunção te coloca acima de todos, você acha que é melhor que os outros e pensa que ninguém há acima de você. Engana-se. Deus é soberano e ele haverá de julgar todos os povos e dará a cada um segundo as obras praticadas aqui nesta terra. E é assim, exatamente assim como na foto acima que todos terão que se dobrar diante dele e confessá-lo como Senhor. A igreja o confessa não somente como Senhor mas como salvador pessoal. Quem ainda não o reconhece assim faça-o enquanto é tempo. Pois em muito breve já não haverá sequer uma palavra escrita numa folha branca.

O vale de ossos secos

O vale de ossos secos

Foi desse vale que Deus tirou você. Era ai que você estava quando Deus resolveu ir até você e por meio da ação poderosa do Espírito Santo lhe dar vida. Sem Deus jamais seria possível sair daí, nem sequer se mexer ou ter vontade alguma pois você era simplesmente mais entre tantos ossos secos. Efésios capitulo 2 a partir do versiculo 1 diz que ele nos deu vida estando nós mortos em nossos delitos e pecados. É exatamente essa cena que me vem à mente quando ouço por meio da leitura o que o apóstolo Paulo diz ali. E quantos ainda não se deram conta disso, e vivem como se ossos ainda fossem, como se Deus nunca os tivesse tirado dali. Lembre-se do que Paulo diz : ele vos deu vida estando vós mortos….isso é tudo…a vida que ele nos deu é vida em abundância e ninguém que a tenha recebido deve retroceder ao estado em que vivia, afinal são apenas ossos secos, sem vida, sem futuro algum longe da presença de Deus.

O Senhor é um pastor que ama suas ovelhas

Disse davi no salmo 23 : Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte não temerei mal nenhum pois tu estas comigo…Aqui eu aprendo duas coisas importantes…primeiro: mesmo sendo uma ovelha do rebanho do Senhor não estou livre de passar pelo vale da sombra da morte..davi diz isso..ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte…e ai a gente pode incluir uma série de situações que se comparam a esse vale…doença, enfermidade, luta e provação…a palavra ainda dá exatamente a ideia de que não temos garantia de isenção de problemas….Mas……aprendo outra coisa aqui…davi não somente diz que é possivel que eu passe pelo vale como também diz que eu não passo por ele sozinho…ele continua o versiculo dizendo…não temerei pois tu estás comigo….oh glória…Deus é um pastor que não abandona seu rebanho…e ele vai com você e comigo, ele entra no vale conosco….me lembro de sadraque, mesaque e abedenego quando foram jogados na fornalha ardente….quem estava lá ? o Pastor de nossas almas….fique tranquilo…..se você tiver que passar pelo vale, passe, mas saiba que Deus não te abandona jamais…Deus abençoe..

Deus teria vergonha de andar com muitos em nossos dias.

A biblia diz que enoque andou com Deus…E isso em meio a uma geração comprovadamente separada de Deus, homens violentos, homens perversos e que não queriam nem saber de Deus….não havia igrejas, não havia pastores, não havia nem sequer a biblia como hoje….e mesmo assim enoque andou com Deus..e a biblia diz que ele Deus o levou para si…Porque ?  Porque imagino tenha ele atingido um nivel tão alto de santificação que não havia mais lugar para enoque aqui na terra…hoje pouca gente tem coragem de andar com Deus…já imaginou a cena ?    Muitos não teriam coragem de levar Deus com eles em muitos lugares onde frequentam…muitos não teriam coragem de levar Deus para ouvir as conversas entre amigos, onde nada de bom é falado…muitos não teriam coragem de deixar Deus ver o que eles escrevem em suas paginas na internet..muitos não teriam coragem de permitir que Deus visse o que eles veem na internet…para esses não daria mesmo para andar com Deus em nossa época…pra esses tenho uma péssima noticia…lembram que enoque agradou tanto a Deus que ele o tomou para si….e desses ? o que será desses ?   Não seja você um deles….

                                                       Somos como uma garrafa de refrigerante.

Quer saber de fato quem é uma pessoa no seu intimo ? faça com ela o que se faz com uma garrafa de refrigerante….ah você não sabe porque ?  Deixa te explicar….é simples entender…pegue uma garrafa de refrigerante cheia, faça movimentos com ela até haja muita pressão de gás…ao abrir o que vai acontecer ?  resposta óbvia vai sair refrigerante, claro.      Bom, com o homem não é muito diferente.     Faça isso com alguém, agite-o bastante, deixe-o no limite e então….lembra da garrafa de refri ? depois de agitada o que saiu dela foi o que ela tinha por dentro..não saiu água ou outro liquido qualquer, foi refrigerante….assim é com o ser humano…..depois de fazer tudo isso com ele o que vai sair ? claro que é o que ele tem la dentro do coração, pois disse O Senhor Jesus em mateus 15.11 em outras palavras, que o homem é o que está em seu coração……veja a reação dessa pessoa, se ela é cordeiro ou lobo….dependendo de sua reação é possivel saber o que há dentro de seu coração…Jeremias 17.9 diz enganoso é o coração e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá ?   Davi dá a resposta no salmo 139 quando diz Senhor sonda meu coração e vê se há em mim algum caminho mal….pense nisso, deixe o Espirito Santo sondar e habitar em seu coração, para que ele o transforme cada dia em alguém que seja manso, cordial, bondoso, misericordioso, amoroso etc….isso é fruto do Espirito….amem ?

A restauração que vem de Deus

Deus leva o profeta ezequiel a um vale de ossos secos, onde havia braços, pernas, mãos, crânios já sem qualquer possibilidade de vida. Foi ali que Deus mostrou ao profeta que não há nada que Deus não possa fazer. A partir da visão de ezequiel no capitulo 37 meu desejo é que Deus da mesma maneira que fez com a nação de israel, possa promover em você a mesma transformação. O que é impossivel ao homem é possivel a Deus.

Os padrões de um homem de Deus

TEXTO BASE: 2 Tm 2.1-7

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

      A segunda carta de Paulo a Timóteo é uma continuação da sua primeira carta escrita ao seu amado e mais notável discípulo e filho na fé. No entanto, elas possuem as mesmas 
características peculiares, no que se refere à mesma essência de conteúdo, ambas formam a tríade das cartas pastorais de Paulo, juntamente com a carta a Tito.

 

      Conforme vamos discorrendo por estas duas cartas, podemos observar que mesmo sendo de uma família cristã, e desde criança já lhe era ensinado às escrituras, foi através de Paulo em Listra (At 14.6-23) que Timóteo chegou ao seu limiar com Cristo (1.2,18; 1 Cor 4.17; 2 Tm 1.2). Onde ele começou a ter experiências preeminentes, juntamente com o processo de maturidade cristã que estava iniciando em sua vida.

 

      Não obstante, quando “Paulo voltou a Listra em sua segunda viagem missionária, ele escolheu Timóteo para que o acompanha-se (At 16.1-3). Embora Timóteo fosse um adolescente entrando na fase jovem, provavelmente tivesse uns 20 anos, sendo que 15 anos mais tarde Paulo se referiu a ele ainda como um jovem (1Tm 4.12)”. 1

 

      Além de ter sido um colaborador indizível de Paulo no ministério, tendo acompanhado ele em Bereia (At 17.14), Atenas (At 17.15), Corinto (At 18.5; 2 Cor 1.19) e em Jerusalém (At 20.4). “Esteve com Paulo também em sua primeira prisão em Roma e de lá foi para Filipos depois da libertação dele (Fp 2.19-23)”.2

 

      Logo após ser libertado da prisão (At 28.30), Paulo retornou novamente as várias cidades pelas quais ele havia passado pregando o evangelho e edificando igrejas junto com os seus cooperadores, incluindo a cidade de Éfeso, onde Paulo designou Timóteo a servir ali como pastor da igreja, para tratar de problemas que haviam surgido tais como:

 

 Falsa doutrina (1Tm 1.3-7; 4.1-3; 6.3-5), desordem na adoração (2.1-15), a necessidade de líderes qualificados (3.1-14) e o materialismo desenfreado por parte de alguns (6.6-19), daí Paulo segui para a macedônia, de onde escreveu a primeira carta a Timóteo, com o intuito de ajudá-lo a cumprir diligentemente a sua tarefa na igreja de Éfeso.

 

      Entretanto, na segunda carta de Paulo a Timóteo, a sua última carta escrita em 67 d.c. pouco antes de ser martirizado, vemos o apóstolo preso novamente em uma prisão romana (2 Tm 1.16; 2.9). Ao que tudo indica, a prisão foi por causa da perseguição do imperador Nero aos Cristãos.

 

      “Nesta carta, ciente de que o seu fim estava próximo, Paulo exorta e encoraja a Timóteo a permanecer fiel em seus deveres (1.6), manter-se apegado a sã doutrina (1.13-14), evitar o erro (2.15-18), aceitar a perseguição pela causa do evangelho (2.3-4; 3.10-12), depositar a sua confiança na escritura e pregá-la de maneira crível”.3

 

 

 

       Senão vejamos no texto alume os padrões que Paulo descreve acerca do homem de Deus e como ele deve nortear a sua vida cristã.

 

1- EXORTAÇÃO A FIRMEZA NA FÉ (vs.1-2).

 

a) Um chamado carinhoso (vs.1a).

 

       Paulo começa este capítulo de uma série de conselhos práticos ao jovem pastor e mestre Timóteo chamando-o de filho meu, que no grego “faz referência a um aluno ou discípulo”.4 Conforme foi mencionado anteriormente a guisa de introdução, Timóteo era um filho espiritual de Paulo na fé. É desse modo carinhoso que o apóstolo o chama aqui e também no (1.2).

 

b) Um chamado à diligência (vs.1b).

 

 

       Timóteo aqui é exortado a fortificar-se na graça de Cristo Jesus. O verbo “fortifica-te, do grego endynamoo, está no presente imperativo passivo, que significa capacitar-se, aumentar em força, ser continuamente fortalecido”.5

 

       Embora não haja uma indicação precisa no NT do motivo por que Paulo estivesse tão preocupado, a ponto de exortar a Timóteo a perseverança e firmeza. Todavia há evidências na própria carta que parecem indicar que o apóstolo está pedindo a Timóteo que domine e vença a sua aparente tendência a fraqueza espiritual.

      As passagens que fortalecem este argumento estão no (1.6), onde Paulo o exorta a reavivar o seu dom = “trazer de novo a memória; tornar ou retornar com maior intensidade a algo” 6 (voltar a dar importância a algo que, com o passar do tempo, não se dá mais como antes) “ênfase acrescentada por mim”.

 

       Vemos também no (1.7) Paulo dizendo a Timóteo para substituir o medo pelo poder, pelo amor e pela moderação, a não se envergonhar do próprio apóstolo e do Senhor, mas sofrer voluntariamente pelo o evangelho (1.8), e a manter-se apegado à verdade (1.13-14).

 

      Há um consenso entre a maioria dos estudiosos e comentaristas da bíblia que apóiam essa hipótese como verdadeira, alguns deles como John Stott e John Macarthur são inclinados a mesma opinião.

 

      Stott ressalta que: “É co­mo se Paulo lhe dissesse: Não te importes com o que outras pes­soas possam estar pensando, dizendo ou fazendo. Não te importes com a fraqueza e a timidez que talvez estejas sentindo. Quanto a ti, Timóteo, sê forte!”7

 

         Mediante a proposição exposta, a minha opinião acerca dessa pasagem é que pode ter havido sim, a possibilidade de Timóteo, por ser jovem, tímido e com pouca experência de vida e no ministério, ter passado por inúmeros momentos de fraqueza e desânimo, a ponto de até quase desistir de tudo.

 

Isso geralmente acontece com muitos obreiros jovens, mesmo capacitados teologicamente. Mas diante de todas estas batalhas ferrenhas, elas são pedagogicas, cada uma delas são degraus que subimos rumo ao topo do aperfeiçoamento ministerial, do crescimento em fé e da maturidade espiritual.

 

      Noutras palavras, Paulo está dizendo o seguinte: Timóteo, meu amado filho na fé, torne-se forte ou (seja fortalecido) “continuamente, dia após dia ênfase acrescentada por mim” por meio da ou (na) graça que é nossa por estarmos unidos com Cristo Jesus.

 

     Todo cristão passa por alguns momentos de fraqueza, desânimo, quedas e pecado na vida. Enquanto não chegamos à maturidade da fé, estamos propensos a todas estas coisas. Mas cabe a nós, através das intempéries, não desistirmos da obra de Deus por causa delas, e sim, aprender com elas e prosseguirmos firmes e constantes até superá-las.

 

Só iremos vencer e termos uma vida cristã feliz e saudável, em temor e obediência ao Senhor não pelos nossos próprios esforços, mas se “dependermos de toda a fonte de inspiração e força na graça que há em Cristo Jesus (Ef 6.10)”.8

 

       A melhor tradução do (vs.1b) seria “sê fortalecido na graça”, com o verbo no passivo simples (Ellicot, pág 121), conquanto possa estar no imperativo reflexivo: “fortifica-te (interiormente)” como está na ERAB. O mesmo verbo ocor­re na voz passiva em (Ef 6.10) e na ativa em (Fp 4.13 e 2 Tm 4.17).

 

c) Um chamado ao serviço cristão (vs.2).

 

 

      Durante os vários anos em que Timóteo esteve ao lado de Paulo participando do seu ministério em viagens sendo um exímio cooperador do apóstolo, nasceu uma grande amizade entre os dois que só a morte terminaria com ela.

 

Porém, foi através de Paulo que “Timóteo ouviu a verdade divina que Deus havia revelado por meio do apóstolo”, 9 ou seja, “ele recebeu a sã doutrina”10 “entre ou em meio”11 a muitas pessoas, provavelmente “Silas, Barnabé, Lucas e muitos outros que foram testemunhas e que poderiam atestar a autenticidade divina dos ensinos de Paulo (vs.2a)”.12

 

      Até então “Timóteo foi exortado a conservar a fé e a guardar o depósito (1.13- 14)”.13

 

Contudo, ele deveria fazer mais do que isso, Timóteo deveria apossar-se de tudo que  havia aprendido com Paulo e “transmitir (paratithenai); derivado da mesma raiz que depósito (paratheke)”14, ou seja, passar o seu depósito de fé adiante, a outros homens que fossem fiéis (vs.2b).

 

      “A palavra grega para fiel é pistos, e tem uma rica variedade de significados”. Pistos denota uma pessoa que crê, é leal, é de confiança e da qual se pode depender. Todos estes significados estão inseridos aqui”.15

 

      Entretanto, além da necessidade destes homens serem fiéis e aptos, de caráter espiritual aprovados (vs.2c), por conseguinte, eles deveriam depois de receberem a verdade de Deus, também anunciarem Cristo a outras pessoas, assim o evangelho se espalharia por todo o mundo e a gerações futuras alcançando a todos os eleitos do Senhor.

 

 

      É dever de todos os cristãos dedicar-se ao serviço da evangelização e os pastores/mestres dedicarem-se ao serviço também da evangelização e do discipulado. A soberania de Deus não anula a responsabilidade que cada um de nós tem para fazer estas coisas. O Senhor Jesus se utiliza destes meios para salvar os seus eleitos e edificá-los na doutrina e na igreja.

 

      Esta passagem nos constrange a refletirmos sobre como está o nosso serviço cristão em relação ao evangelismo e discipulado.

 

Podemos melhorar e fazer mais do que já estamos fazendo, e se não estamos fazendo nada ainda, chegou o momento de arregaçarmos a manga e trabalharmos para Cristo com toda a dedicação e temor a Ele (Mc 16.15; Mt 28.19-20a).

 

 

2- OS PADRÕES DE UM HOMEM DE DEUS (vs.3-6).

 

      Paulo agora encoraja Timóteo a fidelidade a Cristo e ao ministério de pastor/mestre, dom que ele havia recebido de Deus através de “um grupo de presbíteros juntamente com Paulo, havia imposto as mãos sobre ele (provavelmente quando foi separado para o ministério)”.16

 

“Nessa ocasião, o jovem pastor recebeu um dom espiritual, junto com uma palavra profética, sendo ungido para o serviço (1Tm 1-18; 4.14)”.17

 

         Podemos observar que, além de Paulo admoestar a Timóteo, o apóstolo se usa como exemplo de fidelidade ao Senhor e ao ministério que lhe fora confiado, pois “o sofrimento é parte integrante da tarefa do ministro fiel (2.3,9,10,12)”18 e que Timóteo deveria pautar o mesmo exemplo de Paulo em sua vida e ministério (2.3).

 

      Como ilustração, Paulo vai usar 3 metáforas: “o soldado (vs.3), o atleta (vs.5) e o lavrador (vs.6), Todas falam de esforço e luta, e devem servir de estímulo e encorajamento para Timóteo”.19 Ambas sintetizam de forma clara e objetiva os padrões que devem tanger a vida de todo cristão.

 

a) O homem de Deus como um soldado (vs.3-5).

 

      “A experiência de Paulo como prisioneiro deram a ele ampla oportunidade de observar os soldados romanos e de meditar no paralelo existente entre o soldado e o cristão”.20 Em outras cartas como (2 Cor 6.7; Ef 6.10-20; Rm 6.13-14 e 1Tm 1.18, 4.7; 6. 12) vemos o apóstolo utilizando a metáfora do soldado romano e aplicando o exemplo do seu serviço na vida cristã prática.

 

 

      De acordo com o texto, o soldado cristão possui duas virtuosas qualidades de total importância para nós. Senão vejamos em:

 

 (1) Suporta as dificuldades (vs.3).

 

      “A metáfora do serviço militar não se refere à conquista, mas à prontidão para o serviço irrestrito. Certamente existe um sofrer corajoso de luta ativa”.21 O bom soldado de Cristo é  um homem que sabe que a vida cristã não é ainda o paraíso na terra, onde estaremos insentos das diversas tribulações e sofrimentos que nos assolam.

 

      A vida cristã é um campo de batalhas árduas, onde todos os dias precisamos estar em guarda (Mt 26.41); e lutar veementes para que a nossa perseverança, santidade, trabalho, dedicação, temor e fé não sejam abalados pelo exercíto inimigo de satanás, e assim, perdermos a guerra, (não a salvação), e viver uma vida inteira prostrada em fracasso.

 

 

      Não devemos esperar ter uma vida fácil. Ainda mais se formos fieis ao evan­gelho, certamente vamos experimentar dias difíceis, oposição e dificuldades (Jo 6.33; 2Tm 3.12). William Barclay salienta que: “A virtude suprema de um soldado é ser fiel até a morte. O cristão também deve ser fiel a Jesus Cristo, através de todas as oportunidades e mudanças da vida, até mesmo às portas da morte”.23

 

(2) Evita envolvimentos frívolos (vs.4).

 

      Warren Wiersbe corrobora que: “o soldado cristão é totalmente comprometido com o seu comandante, aquele que o alistou para a guerra, em nosso caso Jesus Cristo”22, o nosso general. Todavia, não somente o pastor, mas também todos os que trabalham em prol do reino de Deus e cristãos em geral, devem evitar-se “embaraçar”(ARC, SBB), “se prender” (NBV) “em negócios da vida civil” (NVI, NTLH).

 

      O que Paulo está frisando é que, aquele que foi chamado por Deus em tempo integral para exercer o santo ministério, deve-se desligar de toda e qualquer distração secular que pode vir a comprometer e desviar o seu foco da esfera do serviço cristão, do ministério da palavra e da comunhão com o Senhor através das orações (At 6.1-4).

 

      No entanto, este conselho não se aplica a todos os cristãos a ponto de evadir-se de suas obrigações civis tais como largar o trabalho, parar de dedicar-se a esposa, filhos e ao lar.

 

Paulo não está dizendo que os negócios desta vida como trabalhar, namorar, casar e dedicar-se ao lar sejam em si pecado, mas o que é pecado é o cristão e, principalmente o pastor, no qual este conselho se aplica, não dedicar toda a sua atenção e esforço ao seu ministerio e a Cristo, dividindo-o assim com os negócios desta vida.

 

      O serviço cristão exige que o indivíduo cumpra o propósito de seu alistamento obedecendo unicamente e de todo coração ao seu general. “A lealdade e a devoção precisam ser dirigidas de forma preeminente somente a pessoa de Cristo.” 24 “Nosso objetivo é agradar ao Senhor, e não a nós mesmos (vs.4b)”. 25

 

b) O homem de Deus como um atleta (vs.5).

 

      A vida cristã delineada pela figura do atletismo aqui e também em (Fp 2.12-16) nos ensina muitas coisas. “O verbo grego athleo expressa o esforço e a determinação necessária para se competir com êxito em uma competição esportiva”.26 Paulo tinha em mente aqui um atleta competindo nos jogos olímpicos da Grécia no mundo antigo.

 

       Ao preparar-se para as competições, os atletas “deveriam observar as regras para a competição e as vezes também para o treino preparatório”.27 “Cada prova tinha o seu prêmio, e os prêmios conferi­dos aos jogos gregos não eram medalhas de ouro ou troféus de prata, e sim coroas de ouro.

 

Contudo, nenhum atleta era coroa­do como vencedor se não tivesse competido de acordo com as regras, mesmo que o seu desempenho tivesse sido brilhante e ele até ganhasse, não receberia a coroa. Fora do regulamen­to não havia prêmio”.28

 

       “Se um homem que executa um serviço no reino de Deus e não observa as normas não receberá a coroa da justiça e de glória (William Hendriksen).”29 Todo o empenho e a disciplina de uma atlteta serão desperdiçados se ele não competir segundo as regras do jogo”.30

 

       Assim é na vida cristã, se um cristão não obedece a palavra de Deus e vive uma vida desregrada, ele não vai perder a salvação, se realmente for mesmo cristão, mesmo sendo carnal (1Cor 3.1-4,13-14), mas na corrida, ele não chegará vitorioso, mas exausto e nas ultímas posições.  

 

       A vida cristã é uma corrida, e a base para nós conseguirmos chegar até o final vitoriosos nas primeiras posições é a odediência a palavra de Deus (Dt 7.11; Js 22.5; 1Ts 4.4-5, 1Pe 1.15-16).

 

c)  O homem de Deus como um agricultor (vs.6).

      

      A expressão trabalhar arduamente ou pesado (NVI,NBV,NTLH), Kopiao descreve o lavrador que trabalha até o ponto de exaustão. “os antigos lavradores trabalhavam arduamente por longas horas sob todos os tipos de condição climática, com a esperança que o seu esforço fisíco fosse recompensado com uma boa e abundante colheita”.31

 

      O que Paulo está querendo dizer é que não devemos prestar o nosso serviço a Deus  de forma negligente, cumprindo assim nossas tarefas de qualquer maneira. O pastor seguindo o exemplo do agricultor, deve se afadigar no estudo da palavra de Deus, gastar tempo na preparação do sermão e nunca pregar, ensinar ou cuidar do seu rebanho tibiamente.

 

      Todo o trabalho para o Senhor Jesus nunca será inútil (1Cor 15.58) e tudo que semearmos numa vida espiritual disciplinada e com esforço iremos colher (Gl 6.7).

 

Enquanto estivermos nessa terra, santidade, que é o fruto ou a colheita do Espírito e almas convertidas e edificadas no Senhor, resultado ou colheita do nosso trabalho árduo na obra de Deus e, na glória, descanso, paz e felicidade eterna ao lado de Cristo Jesus para sempre.  

 

 

CONCLUSÃO

            

 

     “Essas três ilustrações reforçam diferentes aspectos do desafio a uma total devoção ao ministério do Evangelho”.32 “Nestas três imagens há uma coisa em comum. O soldado vê-se sustentado pela crença na vitória final.

 

O atleta pela visão da coroa. O lavrador pela esperança da colheita. Cada um deles submete-se à disciplina e ao trabalho pela glória que obterão.

 

      O mesmo acontece com o cristão. A luta cristã não é uma luta sem fim; não é um esforço sem meta e recompensa. O cristão pode estar seguro de que depois do esforço da vida cristã, vem a alegria do céu; e quanto mais se luta maior será a alegria”.33 Estas foram as palavras de Paulo a Timóteo e são as palavras de Paulo aos cristãos e a igreja hodierna.

 

 

Extraído de: http://www.materiasdeteologia.com/2011/12/os-padroes-de-um-homem-de-deus.html#ixzz2ajyzLXJw

Entre a fé e a lei

TEXTO BASE: Gl 4.21-31

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

      Paulo está na etapa final de toda sua premissa doutrinária acerca da justificação pela fé. O apóstolo de modo eloqüente, com sabedoria indizível e divinamente inspirado, descerra em praticamente toda a carta aos gálatas, com exceção na defesa do seu apostolado (1.1-5; 13-24), sua vigente defesa ao evangelho da graça (1.1-5-12; 2.1-21; 3.1-29; 4.1-20) que estava sendo atacado vorazmente pelo ardiloso falso evangelho (1.8-9).

 

     Não obstante, Paulo agora “está usando seu último argumento para provar a justificação pela graça mediante a fé, no lugar da salvação pelas obras. O contexto ainda mostra que o apóstolo está refutando os falsos mestres judaizantes que perturbavam a igreja e adulteravam a verdade”.1  

 

     Conforme podemos observar, a seção alume na qual vamos expor, se divide em 3 etapas interligadas que Paulo utilizou para elucidar veemente o contraste entre a vida cristã pela fé e pelas obras.

 

(1) A FASE HISTÓRICA – O apóstolo relembra os gálatas a história de Abraão, que teve dois filhos, a saber, Ismael, filho de uma mulher escrava, e Isaque, filho de uma mulher livre (Gn 16.1-4a; 11;15) (vs.22-23).

 

(2) A FASE ALEGÓRICA – Paulo sintetiza que estes dois filhos e estas duas mães representam duas religiões distintas (vs.24-27).

 

(3) A FASE APLICATIVA – Aqui a alegoria descrita por Paulo é aplicada aos gálatas e a nós, ou seja, os cristãos não são como Ismael escravos, mas como Isaque livres. E, por conseguinte, o apóstolo ressalta um alerta sobre o que devemos esperar por sermos um Cristão Isaque, a saber, perseguição (vs.28-31). 

 

 

 

     Antes de Paulo expor o seu demolidor argumento que conclui toda a síntese da justificação pela fé nesta carta, o apóstolo com ousadia insofismável tece uma audaciosa introdução.

 

a) Um convite ao debate (vs.21a).

 

     Paulo aqui chama para o debate os seus opositores. Digam-me vocês, os que querem estar debaixo da lei. NVI ou Vocês que querem estar debaixo da lei, me digam uma coisa. NTLH

 

“Todos aqueles que se opunham ao seu ensino e queriam estar sob o jugo da lei, rejeitando o evangelho da graça”,2 o apóstolo os desafia. Como um exímio apologeta, Paulo empunha nas mãos a espada da verdade e com coragem inexorável, sai rumo à ferrenha batalha contra o falso evangelho e seus asseclas do engano.

 

     “Essas palavras de Paulo são endereçadas às pessoas cuja religião é legalista, que imaginam que o caminho de Deus é por meio de observância de certas regras. São indivíduos que transformam o evangelho em lei e supõe que o seu relacionamento com Deus depende de uma obediência restrita a regulamentos, tradições e cerimônias. São até crentes professos (alguns), mas que vivem escravizados por esses preceitos”.3

 

b) Um alerta aos opositores (vs.21b).

 

     Nesta segunda parte da passagem, Paulo lança agora sua objeção contra os falsos mestres judaizantes que propagavam o evangelho da salvação pelas obras com uma contundente e provocante pergunta: Acaso vocês não ouvem a lei? NVI ou Vocês que são vidrados na lei, já deram pelo menos uma olhada no que ela diz? Bíblia em Linguagem Contemporânea

 

     Paulo refuta os seus opositores frisando que se eles que se dizem conhecedores da lei, deveriam saber pelas escrituras o real significado dela, porque e os que fazem da lei o caminho que leva até a salvação, na verdade permeiam o caminho da servidão e da escravidão. “Isto porque a própria lei da qual querem ser servos se levantará como seu juiz para condená-los”,4 conforme o apóstolo já havia dito no (3.9; ver também em Tg 2.10)

     Todavia, a lei não foi dada para salvar, porém, os falsos mestres judaizantes e os gálatas até aquele momento não pensavam desta forma. De fato, esta má interpretação e aplicação da lei se deram devido a uma compreensão errônea de grande parte dos judeus referente ao seu vital papel. Basicamente, a lei foi dada para revelar o pecado, isto é, mostrar ao pecador o seu pecado (Rm 3.20b).

 

 

Lutero disse que “o uso e o fim correto da lei é, nos acusar e condenar como culpados quando vivemos em segurança, para que possamos ver a nós mesmos em perigo do pecado, ira e morte eterna”.5 E por conseguinte, como uma placa, a lei indica o caminho para a salvação em Cristo Jesus (Jo 14.6; 1Tm 2.5-6).

 

Greg L. Bahsen ressalta que “a lei neste aspecto de revelar o pecado, acusar e condenar, ajuda indiretamente na justificação, no fato de direcionar o homem para a promessa da graça”.6

 

Entretanto, o ponto crucial em que não somente os judeus e os falsos mestres judaizantes erravam a despeito da lei, mas também uma esmagadora parte da igreja evangélica hodierna erra é especificamente no seu uso e na sua aplicação. Como assim?

 

     Sobre o tema em pauta, Mauro Meister nos esclarece: “A revelação da lei de Deus, como expressão objetiva da sua vontade, encontra-se registrada nas escrituras. Esse registro, que começou nos tempos de Moisés, fala-nos da lei que Deus deu a Adão (Gn 1.26,28; 2.16-17) e também aos seus descendentes (Ex 20-1.17; Dt 5.32-33). Essa lei foi revelada ao longo do tempo. Dependendo das circunstâncias e da ocasião em que foi dada, possui diferentes aspectos, qualidades ou áreas sobre as quais legisla. Assim, é importante observar o contexto em que cada lei é dada, a quem é dada e qual o seu objetivo. Só assim poderemos saber a que estamos nos referindo quando falamos de lei”.7

 

      Senão vejamos os 3 aspectos da lei que predominava no AT.

 

(1) A LEI CERIMONIAL – “Esse tipo de lei era relacionado à adoração de Israel (Lv 1.1-13). Seu objetivo principal era apontar para Cristo. Portanto, ela não era mais necessária após a morte e ressurreição de Jesus. Embora não estejamos mais vinculados à lei cerimonial, os princípios espirituais nela contidos como a adoração a Deus ainda se aplicam atualmente”.8

 

(2) A LEI CIVIL – “Esse tipo de lei “representava a legislação dada a sociedade israelita que definia os crimes contra a propriedade e suas respectivas punições” (Dt 24.10-11)” 9, como também regia ordem na sociedade em geral.

 

(3) A LEI MORAL – Esse tipo de lei é constituído diretamente pelos 10 mandamentos de Deus, e “representa a vontade de Deus para o ser humano, no que diz respeito ao seu comportamento e aos seus principais deveres (Ex 20.1-17)”.10

 

     Não obstante, parte da lei judaica incluía estes paralelos encontrados no AT. Quando Paulo diz que os gentios não estão mais presos a observância da lei (ver At 15. 20-21; Lv 17;18; 1Cor 8.8-13; Rm 9.30-33), o apóstolo não está dizendo que a lei não se aplica a nós que estamos na dispensação da graça.

O que Paulo está dizendo é que certos preceitos da lei (usos e costumes, rituais e sacrifícios) não precisam mais ser aplicados a igreja devido ao seu contexto histórico restrito somente ao Israel antigo, enquanto que outros se cumpriram plenamente em Cristo e na sua obra redentora (Hb 8,9).

 

      Portanto, era neste ponto que muitos Judeus, falsos mestres e os gálatas falhavam na compreensão e erravam na interpretação e aplicação da lei, e, por conseguinte, a igreja evangélica hodierna na sua maioria também erra e perece no legalismo e no sincretismo devido ao entendimento e aplicação equivocados da lei.

 

A confissão de fé de Westminster no capitulo 19 sintetiza o verdadeiro objetivo da lei para a igreja de Cristo.

 

“Embora os verdadeiros crentes não estejam debaixo da lei como pacto de obras, para serem por ela justificados ou condenados, contudo, ela lhes serve de grande proveito, como aos outros; manifestando-lhes, como regra de vida, a vontade de Deus, e o dever que eles têm, ela os dirige e os obriga a andar segundo a retidão; descobre-lhes também as pecaminosas poluções da sua natureza, dos seus corações e das suas vidas, de maneira que eles, examinando-se por meio dela, alcançam mais profundas convicções do pecado, maior humilhação por causa deles e maior aversão a eles, e ao mesmo tempo lhes dá uma melhor apreciação da necessidade que têm de Cristo e da perfeição da obediência dele”.11

 

1- A FASE HISTÓRICA – OS DOIS FILHOS E AS DUAS MULHERES (vs.22-23)

 

        Paulo corrobora na introdução de sua premissa um convite aos falsos mestres para um debate teológico, para assim, provar definitivamente que a salvação está centrada no evangelho da graça e na vida cristã norteada pela fé e não pelas obras da lei.

 

O apóstolo agora começa a sua refutação tomando como base de seu argumento o AT para provar através da história de Abraão, dos seus dois filhos, e de suas duas mulheres a veracidade do seu ensino em conformidade com toda a escritura.

 

a) O filho e a mulher escravos (vs.22a-23a).

 

      No texto em tela, Paulo cita (Gn 16.15) aos seus opositores, onde é descrito que Abraão teve o seu primeiro filho chamado Ismael, porém, não com sua esposa Sara, mas com a serva (escrava) dela, uma mulher egípcia chamada Agar. “De acordo com o direito antigo, uma escrava sempre dava a luz para a escravidão, mesmo quando o pai era um homem livre”,12 no caso aqui Abraão.

 

Portanto, assim como sua mãe, Ismael também era um escravo. No entanto, como Sara era estéril, e tendo passado já 10 anos desde a promessa de Deus feita a Abraão de lhe dar um filho não se cumprira (Gn 12.4), Sara decidiu recorrer “ao costume da época o qual uma mulher estéril podia ter um filho por meio de sua serva (Gn 16.2)”.13

Sendo assim, coagido por sua esposa desesperada para ser mãe, Abraão concorda com esta pérfida idéia, e demonstra através desta atitude 3 reações entrelaçadas entre si:

 

(1) Memória curta – Naquele momento Abraão havia se esquecido da promessa de Deus e agiu precipitadamente. Ele não valorizou a palavra do Senhor e deixou o tempo ofuscar a sua esperança no impossível (Gn 15.1-6).

 

(2) Impaciência – Abraão não conseguiu mais esperar pela intervenção divina na sua vida. A impaciência pela esperança demorada enfraqueceu seu coração (Pv 13.12) e o levou a ansiedade, e a ansiedade o levou a próxima reação;

 

(3) Incredulidade – Aqui temos o retrato não do Abraão crente de (Gn 15.1-6; Rm 4.17-21), mas do Abraão descrente que apelou para os meios humanos recorrendo ao direito antigo de obter um filho mediante a serva da esposa. Abraão dependeu de si mesmo e não de Deus. Ele escorou na sua vã expectativa de que o filho com Hagar seria o da promessa.

 

     Donald Guthrie diz que “Ismael foi o resultado da confiança de Abraão no planejamento humano em vez da confiança na promessa de Deus”.14 William Hendriksen salienta que “quando Paulo afirma que Ismael nasceu segundo a carne, ele tem duas coisas em mente: que Ismael nasceu segundo um propósito carnal (Gn 16.2) e em virtude da capacidade física que Abraão e Agar tinham (Gn 16.4)”.15

 

      “Abraão e sara tentaram empurrar a aliança para a linhagem de Ismael, e é nesse sentido que agem segundo a carne, a saber, distantes de Deus” (Adolf Pohl).16

 

b) O filho e a mulher livres (vs.22b-23b).

 

      Prosseguindo a sua argumentação, Paulo enfatiza agora o segundo filho de Abraão e sua esposa Sara, e denota o contraste entre ambos. “Se Ismael nasceu de uma conjunção puramente carnal entre Abraão e Agar, Isaque porém, nasceu de uma intervenção sobrenatural de Deus. E isto por duas razões.

 

(1) Tanto Abraão (100 anos) como Sara (90 anos) já estavam avançados em idade e não poderiam mais gerar filhos naturalmente. (2) Sara era estéril, e por isso, não podia conceber”. 17

 

      Contudo, “Isaque nasceu como resultado da fé de Abraão direcionada para a promessa de Deus. O Senhor interveio milagrosamente como recompensa dessa fé e capacitou Abraão para que este pudesse gerar, e possibilitou Sara para que ela pudesse conceber. Assim, Isaque nasceu segundo o Espírito (vs.29), porquanto foi o Espírito Santo quem tornou a promessa realidade”.18

     Portanto, concluímos a fase histórica com as duas nuances acerca dos filhos e mulheres de Abraão. Ismael nasceu de uma mãe escrava e é escravo segundo a natureza, enquanto que Isaque nasceu livre doravante a promessa.

 

 

2- A FASE ALEGÓRICA – AS DUAS MULHERES E OS DOIS FILHOS (vs.24-27)

 

     Nesta segunda seção, Paulo vai elencar a fase alegórica dos dois filhos e das duas mulheres de Abraão. O apóstolo vai delinear através do modo indireto de uma alegoria, que é uma figura de linguagem cuja expressão transmite um ou mais sentidos que o da simples compreensão ao literal.  

 

Noutras palavras, o propósito da alegoria é ocultar o real significado de um texto com o intuito de extrair uma compreensão mais profunda dele. A alegoria é um método de interpretação das escrituras bem utilizado pelos judeus rabinos. Vicent Cheung diz que “Paulo emprega o mesmo método dos seus oponentes, os falsos mestres judeus de interpretar a Escritura contra eles próprios”.19  

 

    Embora o objetivo central da fase histórica neste contexto é expor apenas os fatos literais ocorridos na vida de Abraão, Sara, Agar, Ismael e Isaque, contudo, Paulo agora vai abrir as cortinas do entendimento e extrair desta história por meio da alegoria duas realidades espirituais. Senão vejamos:

 

a) A primeira realidade espiritual (vs.24-25).

 

     Estas duas mães aqui descritas, diz Paulo, representam duas alianças distintas. “Uma aliança é um acordo solene entre Deus e os homens, através do qual ele os transforma em seu povo e promete ser o seu Deus”.20 Não obstante, Agar é símbolo da antiga aliança baseada na lei de Moisés recebida no monte Sinai (Ex 19).

 

Os que vivem sob o jugo da lei são os seus filhos, isto é, a Jerusalém atual e terrena, o Israel incrédulo, carnal e escravo da religião legalista composto de judeus, fariseus, mestres da lei e religiosos que rejeitaram e rejeitam até os dias atuais Cristo e o evangelho da graça (3.23; 5.21).  

 

b) A segunda realidade espiritual (vs.26-27).

 

     Em contraste com a Jerusalém atual, a segunda mãe, sara, representa a nova aliança baseada no evangelho. Sara é a mãe dos crentes verdadeiros, daqueles que nasceram do alto, que são livres e que foram, são e serão salvos pela graça de Deus. “Dos que são cidadãos do céu, que estão se preparando para o céu e que irão para o céu. “se Hagar gera para a escravidão; sara gera para a liberdade e para a vida”.21

 

    Sobre a Jerusalém do alto, William Hendriksen escreve:

 

“O céu é a mãe da igreja, porque foi o céu que deu luz à seus filhos. O céu é a nossa pátria (Fp 3.20). Nossa vida é governada pelo céu. É no céu que estão assegurados nossos direitos e são promovidos nossos interesses. É para o céu que sobem nossas orações. É no céu que está a nossa esperança. O nosso salvador vive no céu. Alguns de nossos amigos já estão no céu. E em breve nós também estaremos no céu, onde receberemos a herança, da qual já temos o penhor”.22

 

     Por outro lado, ao citar (Is 54.1) no contexto de gálatas, Paulo não utilizando esta passagem como uma espécie de aplicação a sua premissa. John Stott ressalta o seguinte:

 

“O profeta Isaias aqui está se dirigindo aos exilados no cativeiro da Babilônia. Ele compara a sua condição no exílio, sob o juízo divino, à de uma mulher estéril finalmente abandonada por seu marido, e o seu estado futuro depois da restauração à de uma mulher fértil com mais filhos do que as outras. Noutras palavras, Deus promete que, depois do retorno, o seu povo será mais numeroso do que antes. Essa promessa recebeu cumprimento literal, ainda que parcial na restauração dos judeus na terra prometida. Mas o seu cumprimento espiritual, verdadeiro, diz Paulo, está no crescimento da igreja, uma vez que o povo cristão constitui a descendência de Abraão”.23

 

     Portanto, o que o apóstolo quer ensinar através desta citação de (Is 54.1)? Hernandes Dias Lopes responde: 

 

“Sara era estéril, mas seus filhos se multiplicaram como as estrelas do céu e as areias da terra. Seus filhos são todos aqueles, judeus e gentios que creram em Cristo e foram salvos dentre os povos, raças, tribos e nações. Com esse argumento, Paulo está dizendo que não basta apenas reivindicar a Abraão por nosso pai. O importante é considerar quem é nossa mãe.24

 

3- A FASE APLICATIVA – OS DOIS FILHOS (vs.28-31)

 

     Depois de expor os eventos históricos e interpretá-los através de alegoria. Nesta última etapa de toda sua argumentação, Paulo agora vai aplicar tanto aos gálatas como aos seus opositores legalistas, toda a síntese desenvolvida ao longo desta seção que encerra a sua inerrante e poderosa defesa da justificação pela fé centrada no evangelho da graça em contraste com a justificação pelas obras da lei.

 

a) Uma declaração enfática (vs.28).

 

     Paulo afirma categoricamente aos crentes da Gálacia que, embora seduzidos pelos falsos mestres e estarem entrelaçados na teia do falso evangelho, todavia, eles eram filhos da promessa como Isaque, e não filhos da escravidão como Ismael. Mesmo retornando a vida escrava aderindo à religião das obras, indubitavelmente os gálatas eram nascidos do Espírito e membros da família de Deus.

Assim também é a realidade de muitos cristãos verdadeiros hoje que, pela ignorância bíblica, perecem na escravidão do legalismo pregado a plenos pulmões por diversas seitas evangélicas.

 

 b) Uma plena convicção (vs.29).   

 

     Em (Gn 21.8-9) é descrito que depois que Isaque foi desmamado, Abraão fez uma grande festa para celebrar o acontecimento, porém, nessa mesma ocasião, Isamel também presente na festa, caçoou e zombou de seu irmão. Como Ismael redicularizara Isaque no passado, assim nós, seus descendentes espirituais, também seremos perseguidos e maltratados por aqueles cuja religião é legalista.

 

Concordo com John Stott quando ele diz que “a perseguição da verdadeira igreja, dos verdadeiros crentes nem sempre vem do mundo, de estranhos sem nenhuma relação conosco, mas de nossos próprios irmãos, da própria igreja que se diz cristã”.25 “Os legalistas sempre se levantaram, se levantam e se levantarão para perseguir a igreja de Deus. Essa tensão jamais deixou de existir. É uma trégua sem fim”.26

 

c) “Uma ordem expressa (vs.30)”.27

 

     Assim como Sara pediu a Abraão para retirar Hagar e Ismael de sua casa mandando-os embora, não obstante devemos também retirar de nossa vida espiritual mandando embora toda forma de legalismo carnal baseado em regras e preceitos humanos criados ao longo do tempo. Não existe harmonia entre a salvação pela fé e a salvação pelas obras. Entre o genuíno evangelho e o falso evangelho.

 

Warren Wiersbe com muita propriedade ressalta:

 

     “É impossível a Lei e a graça, a carne e o Espírito entrarem em acordo e conviverem. Deus não pediu a Agar e a Ismael que voltassem de vez em quando para fazer uma visita; foi um rompimento permanente. Os judaizantes do tempo de Paulo e de nossos dias tentam conciliar Sara com Agar e Isaque com Ismael, uma conciliação contrária à Palavra de Deus. É impossível misturar a Lei com a graça, a fé com as obras e a justificação que Deus concede com a tentativa humana de merecer sua justificação”.28

 

    Nesta passagem que os judeus interpretavam erroneamente como que Deus rejeitando os gentios, na verdade é a própria lei rejeitando a si mesma como o caminho da salvação. Paulo inverteu a ordem dos fatores e aplica esta rejeição da herança eterna da salvação não aos judeus por descendência, mas aos judeus incrédulos. Lightfoot diz que Paulo aqui deu o toque fúnebre para o judaísmo.   

 

d) Uma constatação irrefutável (vs.31).

 

     Paulo conclui de maneira inequívoca o seu demolidor argumento dizendo aos gálatas que eles e nós somos filhos não da lei, mas somos filhos da graça bendita de Deus em Cristo Jesus. Se somos livres, devemos agir como livres, não somente rejeitando o legalismo, mas em alguns casos abandonando também o sistema religioso legalista.

 

 

CONCLUSÃO

     

 

      Malcon Smith definiu o legalismo como um caldo mortífero. Quem dele se nutre adoece e morre. “Legalismo não significa determinar padrões espirituais; significa idolatrar esses padrões e pensar que somos espirituais porque lhes obedecemos. Também significa julgar outros cristãos com base nisso”.29  

 

“O legalismo é uma ameaça à igreja, pois dá mais valor à forma do que a essência, mais importância à tradição do que a verdade, valoriza mais os preceitos do que o amor. O legalismo veste-se com uma capa de ortodoxia, mas em última análise, não é a verdade de Deus que defende, mas seu tradicionalismo conveniente.

 

     O legalista é aquele que rotula como infiéis e hereges todos aqueles que discordam da sua posição. O legalista é impiedoso. Ele julga maldosamente com seu coração e fere implacavelmente com sua língua os irmãos. O legalismo não morreu. Ele ainda está vivo e presente na igreja. Ainda é uma ameaça à saúde espiritual do povo de Deus. Há muitas igrejas sob o jugo pesado do legalismo”.30

 

      Eu concluo esta exposição com estas palavras. O conhecimento do evangelho da graça pela fé é a chave que abre a porta da prisão onde a lei mantém cristãos livres aprisionados no legalismo evangélico.  

 

(2Cor 3.17) Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. ARA

 

Extraído de: http://www.materiasdeteologia.com/2012/06/entre-fe-e-lei-por-leonardo-damaso.html#ixzz2ak57cD00

Exemplos de fé e a superioridade de Cristo

OS EXEMPLOS DE FÉ E A SUPERIORIDADE DE CRISTO TEXTO – HEBREUS 11.1-40

- O QUE É FÉ PRA VOCÊ ? PERGUNTA PARA A CLASSE

- VOCE ACHA QUE A FÉ INTERFERE NA CURA DE ALGUEM ?  OU NA SOLUÇÃO DE ALGUM PROBLEMA ?  PORQUE ?

- A FÉ PODE DETERMINAR OS FINS ?   COMO ?  PORQUE ?

- QUAL O CONCEITO ATUAL SOBRE FÉ ?  PORQUE AS PESSOAS TEM ESSA VISÃO ?

- FÉ BIBLICA – CRER EM TUDO QUANTO DEUS REVELOU – É ALGO QUE ELE MESMO DÁ A QUEM ELE QUER – EFESIOS 2.8

- HEBREUS 11 REVELA ALGUNS EXEMPLOS DE FÉ E O QUE ISSO REPRESENTA EM RELAÇÃO A SUPERIORIDADE DE CRISTO

- OS EXEMPLOS DE FÉ EM HEBREUS 11

A) ABEL – A FÉ E O SACRIFICIO – VERS. 4

- O POVO HEBREU CONHECIA BEM A HISTORIA – E ABEL CERTAMENTE NÃO ERA UM PERSONAGEM ESTRANHO – POR ISSO O AUTOR FAZ A CONEXÃO ENTRE A FÉ ATUAL E A FIGURA DE ABEL QUE TEVE FÉ POR ISSO OFERTOU

- GENESIS 4.1-7 – QUAL FOI A DIFERENÇA ENTRE A OFERTA DE ABEL E A DE CAIM – A FÉ COM QUE ABEL OFERTOU – ELE DEU DAS PRIMICIAS DO REBANHO E DA GORDURA – DEU O MELHOR PRA DEUS

- ALEM DISSO A OFERTA DE ABEL DEMONSTRA SUA COMPREENSÃO DO VERDADEIRO SACRIFICIO EXIGIDO POR DEUS : DERRAMENTO DE SANGUE

- A RESPOSTA DE DEUS AOS DOIS : CAIM E SUA OFERTA NÃO ACEITOS – ABEL E SUA OFERTA ACEITOS – OS MOTIVOS ESTAVAM EM DEUS E NÃO NOS DOIS

- VERS. 5,6 – A SUMA DE TUDO É : DEUS REJEITA OU ACEITA QUEM ELE QUER –

- A FÉ NÃO É ALGO QUE EU EXERÇO NATURALMENTE – EU RECEBO DE DEUS – E MAIS – NÃO HÁ COMO SEPARAR O ADORADOR DO SACRIFICIO – NINGUEM QUE NÃO SEJA APROVADO POR DEUS TEM O PRIVILÉGIO DE OFERTAR A ELE

- CRISTO – APROVADO – OFERTA VIVA – SACRIFICIO PERFEITO

B) O SEGUNDO EXEMPLO É ENOQUE – VERS. 5

- NA RELAÇÃO DE ABEL COM DEUS A ENFASE É NO SACRIFICIO PELA FÉ – AQUI NO CASO DE ENOQUE O ENFOQUE É O RELACIONAMENTO

- O AUTOR DE HEBREUS TRAZ A MEMORIA O FATO DE ENOQUE SER LEVADO POR DEUS SEM QUE PASSASSE PELA MORTE – SUA FÉ POSSIBILITOU O FATO

- MAIS UMA VEZ – FÉ NÃO É DOM HUMANO E SIM DE DEUS

- O HOMEM NÃO TEM HABILIDADE PARA CRER – ELE É UM SER MISERÁVEL E PECADOR – NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE HAVER FÉ NO CORAÇÃO DE UM PECADOR

- PORQUE SEM FÉ É IMPOSSIVEL AGRADAR A DEUS ? É NECESSÁRIO….

- COMO É QUE SABEMOS QUE SOMOS SALVOS ?  PELA FÉ….NINGUEM VIU A CRISTO MAS SABE QUE ELE SACRIFICOU-SE – A FÉ NOS FAZ TER A CERTEZA DISSO.

- LER O VERSICULO 6 PARTE C..O QUE O AUTOR QUER DIZER ? É  O QUE PODE OCORRER COM PESSOAS QUE TEM INTERESSE PRÓPRIO – QUEREM BENEFICIOS

C ) O TERCEIRO EXEMPLO : NOÉ – VERS. 6 – O QUE ELE REPRESENTA EM RELAÇÃO A FÉ ? SALVAÇÃO

- BOM ESSA É UMA SITUAÇÃO BEM FAMILIAR – O HOMEM É SALVO PELA FÉ – E PORQUE NOÉ REPRESENTA ESSE TIPO DE FÉ ?  QUEM NOÉ REPRESENTA ?

- CRISTO – AS PESSOAS DEVERIAM CRER EM NOÉ – OS QUE CRESSEM ENTRARIAM PELA ARCA E SERIAM SALVOS – OS QUE NÃO CRESSEM CONDENADOS

- EXISTE ALGUMA LIGAÇÃO ENTRE OS DIAS DE NOÉ E OS NOSSOS ?  PORQUE ?

- SEGUNDO PONTO – CRISTO E OS PATRIARCAS – VERS. 8-22 – O AUTOR DE HEBREUS AGORA MUDA UM POUCO O FOCO DO ASSUNTO FÉ

- O QUE ELE APRESENTA AGORA É : PELA FÉ TEMOS CERTEZA DE QUE AS PROMESSAS DE DEUS SE CUMPRIRÃO

- ABRAÃO REPRESENTA OS PEREGRINOS NA TERRA – O POVO DE DEUS – VERS. 8-10 – VEJA O QUE ELE REPRESENTA – DEIXAR SUA TERRA E IR PARA OUTRA

- VERS. 10-16 – ABRAÃO CERTAMENTE ENTENDEU QUE HAVERIA UMA TERRA DE POSSESSÃO ETERNA – POIS ELE MORREU ALI – NÃO VIU O CUMPRIMENTO DA PROMESSA – MAS A FÉ LHE DEU A CERTEZA DE QUE ELE HAVERIA DE POSSUIR

- O FATO DE ABRAÃO SAIR E CAMINHAR POR TERRA ESTRANHA NOS REMETE A SALVAÇÃO – SAIMOS DE UM ESTADO DE PECADO E PASSAMOS A ANDAR COM DEUS – POR ONDE ELE QUISER NOS LEVAR – RUMO A TERRA PROMETIDA

- NINGUEM CONSEGUIRA CHEGAR A ETERNIDADE COM DEUS PERMANECENDO NO ESTADO DE PECADO – DEUS CHAMA O HOMEM PARA UMA NOVA VIDA

- NA MENTE DE DEUS O FIM JÁ TEM SEU DESFECHO – TERRA PROMETIDA AOS SEUS ESCOLHIDOS – NADA IMPEDE QUE DEUS CONCLUA SEU PLANO ETERNO

- LEIAMOS VERS. 17-19 – QUAL A LIÇÃO EXTRAIMOS DO TEXTO EM RELAÇÃO A FÉ? – PORQUE ABRAÃO TINHA ESSA CERTEZA ?

- NÃO PODE HAVER DUVIDA NO CORAÇÃO DO SALVO – ELE DEVE TER EM MENTE QUE DEUS CUMPRE O QUE DIZ – ENTÃO CERTAMENTE ELE IRA PARA O CÉU

- A FÉ NOS FAZ ENXERGAR ALEM DO QUE OS OLHOS PODEM VER

- TERCEIRO PONTO – CRISTO E MOISÉS – VERS. 23-29 – OS PATRIARCAS REPRESENTAM EM VARIOS SENTIDOS A FORMALIDADE DA ALIANÇA – DEUS SE REVELA – DEUS FAZ PROMESSAS – DEUS APONTA O CAMINHO

- ATÉ MOISÉS O QUE TEMOS É A CULTURA DE PAI PRA FILHO – É A HISTÓRIA CONTADA – O TESTEMUNHO DA TRADIÇÃO – A FÉ MANTEM VIVA A HISTÓRIA

- EM MOISÉS O QUADRO MUDA – DEUS AGORA ESTABELECE REGRAS – ELE DETERMINA LEIS – ELE REGULA O RELACIONAMENTO COM O HOMEM

- QUAL O INTUITO DE DEUS EM ESTABELECER AS LEIS ?  DEMONSTRAR SUA POSIÇÃO EM RELAÇÃO AO HOMEM – SANTO – JUSTO – RETO – PERFEITO

- HOMEM – PECADOR – MORTO EM SEUS PECADOS – IMPERFEITO

- A LEI TRARIA A CONSCIENCIA DO PECADO AO HOMEM –

- MOISÉS TAMBEM REPRESENTA CRISTO – EM QUE SENTIDO ?

- A FIGURA DE MOISÉS E SUA IMPORTANCIA – VERS. 24-26 – QUEM FOI QUE ENSINOU A MOISÉS SOBRE DEUS ?  PORQUE ELE COMPREENDEU ISSO ?

- VERS. 27 – A FÉ FEZ COM QUE MOISÉS ENFRENTASSE A FURA DE FARAÓ – ELE SABIA DOS PLANOS DE DEUS – ELE OLHAVA PARA O FUTURO GLORIOSO

- VERS. 1 – ESSA ERA A VISÃO DE MOISÉS –  ELE TINHA A VISÃO DO FUTURO GLORIOSO PELA FÉ QUE DEUS COLOCOU EM SEU CORAÇÃO

- COMO DEUS ENSINOU ISSO A MOISÉS ?  CUMPRINDO SUAS PROMESSAS – LEMBRAM DO QUE DEUS PROPOS A ELE ?  FAÇA ASSIM QUE ACONTECE ASSIM.

- MOISÉS TEVE SUA IMPORTANCIA NA HISTÓRIA – NO ENTANTO CRISTO É SUPERIOR A MOISÉS – TUDO O QUE CRISTO FEZ SUPEROU TUDO O QUE MOISÉS FEZ – OS SACRIFICIOS – OS RITUAIS – AS LEIS ETC…

- QUARTO PONTO – CRISTO E OS MARTIRES – VERS. 30-40 – O AUTOR AGORA INCLUI OS PROPRIOS HEBREUS NA HISTÓRIA – CITANTO VARIOS EXEMPLOS DE PESSOAS QUE PELA FÉ OBTIVERAM ALGO DURANTE SUAS VIDAS

- MAS OS HEBREUS DEVERIAM COMPREENDER QUE TUDO O QUE PASSOU, PASSOU – O OLHAR AGORA É PARA O FUTURO GLORIOSO

- O TEMPO PRESENTE É DE CONQUISTAS PASSAGEIRAS – O FUTURO É DE CERTEZAS DEFINITIVAS – É NO FUTURO QUE ENCONTRAREMOS TODOS OS QUE UM DIA PASSARAM PELA VIDA NA TERRA –. 

Um lar centralizado em Cristo

CRIANDO UM LAR CENTRALIZADO EM CRISTO

TEXTO : JOAO 1.1-14

INTR.

- O QUE SIGNIFICA CENTRALIZAR ?  COLOCAR NO CENTRO – CADA DIA MAIS DIFICIL CENTRALIZAR A FAMILIA EM CRISTO – PORQUE ?         – PRINCIPAL MOTIVO : AS FAMILIAS PERDERAM A NOÇÃO DO PACTO DE DEUS.  

- SERA QUE TEMOS VIVIDO A REALIDADE DO PACTO DE DEUS NA FAMILIA ?  TODAS AS COISAS QUE FAZEMOS CONVERGEM PARA ONDE ?   ONDE ESTA CENTRADO O NOSSO LAR ? TEMOS SIDO EXEMPLO PARA OS FILHOS ?

- ILUSTRAÇÃO : O PAI E O FILHO – O CARRO NO MECANICO –  O DESVIO DA ATENÇAO – O ESQUECIMENTO – A MENTIRA – A SABEDORIA DO PAI EM NÃO ACUSAR O FILHO – A REFLEXÃO DO PAI – E NÓS…

- ENTÃO A PROPOSTA É DESCOBRIR EM RELAÇÃO A DEUS E O PACTO DELE CONOSCO O QUE PRECISAMOS SABER ?

1 – VIVENDO A MANEIRA PACTUAL  -  O QUE É PACTO ?  ALIANÇA.  O QUE É O PACTO DE DEUS CONOSCO ?  ALIANÇA DE DEUS CONOSCO – DEUS SE LIGA A NÓS POR MEIO DELE – ADÃO – GEN. 2.15-17 – 3.15 / NOÉ – 6.17-18 – 9.9 / ABRAÃO – 12.1-3- 17.7 / DEUS PROVA SUA FIDELIDADE – GEN. 15.17,18 :ELE ASSUMIU SOZINHO AS CONSEQUENCIAS DO PACTO –NÓS ESTAMOS SUJEITOS A CAIR.

- DAÍ A IMPORTANCIA DE VIVERMOS EM FAMILIA SOB A CONDIÇÃO PACTUAL – DEUS GARANTE O ALCANCE DO PACTO – ENTÃO A CONSISTENCIA DO PACTO ESTA NO PROPRIO DEUS QUE NÃO PODE MENTIR – NEM VOLTAR ATRAS –

- E NÓS COMO ENXERGAR O PACTO ?  GAL . 3.26-29    O PACTO É EXCLUSIVO – ROMANOS 4.17-18

- NENHUMA OUTRA CRIATURA OU SER FOI, É OU SERÁ CAPAZ DE FAZER O QUE DEUS FEZ – ENTREGAR O PROPRIO FILHO EM SACRIFICIO DE MORTE POR HOMENS COMO NÓS – POR ISSO CONSIDERAMOS QUE SOMENTE ELE É DEUS – NÃO HÁ OUTRO

- ELE NOS ORDENOU QUE   NÃO GUARDASSEMOS ESSA VERDADE – ELA DEVERIA SER PROPAGADA – MARCOS 16.15

- A NATUREZA DO PACTO DEVE DETERMINAR NOSSA MANEIRA DE AGIR EM RELAÇÃO A AÇÃO DE DEUS

- A CRIAÇÃO – DEUS CRIOU HOMEM E MULHER – FAMILIA – O PACTO FOI FEITO COM ADÃO E EVA – SEJAM FERTEIS, MULTIPLIQUEM, CUIDEM DA TERRA – DEUS SEMPRE FOCOU A FAMILIA – NÃO SERES INDIVIDUAIS

- A QUEDA – DEUS AO CRIAR AVALIA : É BOM – SUA PRESENÇA GARANTIA HARMONIA, AMOR, PERDÃO, GRAÇA, MISERICORDIA, CARINHO, COMPREENSÃO, HUMILDADE..GEN. 2.22-24

- QUANDO DEUS SE SEPARA DO HOMEM O QUE ACONTECE ?  QUEDA. PECADO.  DESOBEDIENCIA.ACUSAÇÕES.  ORGULHO.  PRESUNÇÃO.  SOBERBA.  MEDO.  MENTIRA.  GEN 3.10-13

- REDENÇÃO – AI ESTA O GRANDE MISTÉRIO – DEUS NÃO DEIXOU O HOMEM CAIDO – ELE O REDIMIU – COMO ?     – ENVIOU SEU PROPRIO FILHO – JOAO 1.14 – O PROPRIO DEUS VEIO A TERRA – ELE ENCARNOU – SE TORNOU COMO NÓS.

- O PRINCIPIO DO PACTO DA GRAÇA É : DEUS OFERECEU SEU FILHO EM NOSSO LUGAR – NÃO FOI ASSIM COM ABRAAO ? GEN. 22.9-13 – DEUS APONTA PARA O FUTURO – COMO ?

- SERA QUE NOSSAS FAMILIAS CONHECEM O PACTO DE DEUS ?  SABEM DAS CONDIÇÕES DESSE PACTO ?  DA ABRANGENCIA ?

- RELACIONAMENTOS PACTUAIS E REDENTORES – NOSSA RELAÇÃO COM AS OUTRAS PESSOAS DEVE TER COMO BASE O RELACIONAMENTO DE DEUS CONOSCO – MISERICORDIA – PERDÃO – AMOR – LONGANIMIDADE ETC…

- COMO ESTÃO AS FAMILIAS DA IGREJA HOJE ?  HÁ PERDÃO ? MISERICORDIA ? AMOR ? COMPAIXÃO ?  LONGANIMIDADE ?

- QUAL O PROPOSITO DE DEUS PARA NÓS EM CRISTO ?  NOS TORNARMOS SEMELHANTES A ELE.  PORQUE FALHAMOS ?   INVERTEMOS OS VALORES.  PRIORIZAMOS NÓS MESMOS.

- O QUE PODEMOS APRENDER SOBRE RELACIONAMENTOS NO TEXTO DE JOÃO 1.1, 14 ?  CRISTO VEIO HABITAR ENTRE NÓS.

- ELE ENTROU EM NOSSO MUNDO, VEIO AO NOSSO ENCONTRO…..

- O QUE JOAO QUER NOS MOSTRAR É QUE A COISA MAIS IMPORTANTE NA VIDA É O ENCONTRO DO HOMEM COM DEUS POR MEIO DE SEU FILHO.     NÃO HÁ OUTRA MANEIRA DE CONHECER DEUS SE NÃO FOR ASSIM.  

- SERA QUE TEMOS LEVADO PESSOAS A CRISTO ?  NOSSOS FILHOS ? NOSSOS CONJUGES ?  AMIGOS ? VIZINHOS ?

- VOCE CONHECE PESSOAS QUE PRECISAM DE CRISTO ?   LEVE CRISTO A ELAS.  

- QUEM SABE O QUE É UM EMBAIXADOR ?  REPRESENTANTE DE UM DETERMINADO PAIS OU INSTITUIÇÃO FORA DE SEU TERRITÓRIO OU LOCAL.

- A BIBLIA DIZ QUE SOMOS EMBAIXADORES DE CRISTO.  EF. 6.20 / 2 COR. 5.20 – O EMBAIXADOR DO BRASIL LA FORA É O BRASIL.

- NÓS DEVERÍAMOS SER VISTOS COMO ?   NOSSAS AÇÕES CONFIRMAM NOSSA MISSÃO ? 

- O QUE É MAIS FACIL ENSINAR FALANDO OU ENSINAR FAZENDO ?     PORQUE ?    AINDA NÃO SE APRENDEU A VIVER COMO CRISTO.         EX. – COMO ENCARAMOS A DOR DE UM FAMILIAR ?   COMO ENCARAMOS A DOR DE UM AMIGO ?  OU DE UM ESTRANHO ?

- AS VEZES É MAIS FACIL SE SENSIBILIZAR COM OS DE FORA DO QUE COM OS DE CASA.  PORQUE ?     O HOMEM CONTINUA NÃO SE PARECENDO COM CRISTO.

- MAS O QUE A BIBLIA DIZ SOBRE ISSO ?   SERA POSSIVEL SER NEGLIGENTE NA VIDA ?                 I JOAO 2.4-5,7  / LUCAS 6.27   / I PD 2.17

- PERCEBEM QUE O AUTOR NOS LEVA A PENSAR MUITO MAIS NO QUE SOMOS DO QUE NO QUE FALAMOS ?  

- VIDA SE ENSINA VIVENDO, NÃO FALANDO.    COL. 3.10.

- EMBAIXADORES DE CRISTO – JOAO 1.6-8 – 26,27 – COMO É A VIDA DE UM EMBAIXADOR ?

- ENTREGA A MENSAGEM DO REI – QUAL A MENSAGEM DE JESUS ?

– USA OS METODOS DO REI – ELE NÃO FAZ O QUE QUER  MAS O QUE O REI DESEJA.         1 COR. 11.1  / EF. 5.1  / JOAO 13.15

- O ALIMENTO VOCE TEM NAS MÃOS, LEVE-O AO QUE TEM FOME.  DA FONTE VOCE JÁ BEBEU, LEVE O SEDENTO A ELA.

- REVESTE-SE DO CARATER DO REI – PALAVRAS BONITAS NÃO MUDAM UMA PESSOA. O QUE MUDA UMA PESSOA É A PALAVRA VERDADEIRA.    A PALAVRA VERDADEIRA DEVE VIR ACOMPANHADA DE UMA VIDA VERDADEIRA.

- JESUS JAMAIS DISSE ALGO A SEUS DISCIPULOS QUE NÃO TENHA VIVIDO PARA LHES DAR EXEMPLO. 

- SOMOS EMBAIXADORES DO REI.  VIVAMOS COMO O REI.  SEJAMOS PROPAGADORES DE SUA MENSAGEM.

- O QUE VOCE FARA AGORA QUE JÁ SABE O QUE DEVE FAZER ?   ESTA DISPOSTO A COLOCAR EM PRATICA ?  OU VAI CONTINUAR SUFOCANDO A VERDADE DE DEUS ?   LEMBRE-SE : SUA FAMILIA NECESSITA CONHECER O DEUS DO PACTO.  SOMENTE ASSIM HAVERA SALVAÇÃO EM SUA CASA.

A superioridade de Cristo como sacerdote

– A SUPERIORIDADE DO SACRIICIO DE CRISTO – HEBREUS 8

- A DIFICULDADE DOS JUDEUS ACEITAREM CRISTO COM O ENVIADO DE DEUS – O MESSIAS – COMO AQUELE QUE VIRIA LIBERTAR SEU POVO

- O AUTOR DA CARTA VIVEU EM UMA EPOCA ONDE HAVIA GRANDE RESISTENCIA EM ACEITAR A PESSOA DE CRISTO – – POR ISSO FOI PRECISO ENFATIZAR SUA SUPERIORIDADE AOS ANJOS – AOS PROFETAS – AOS SACERDOTES –

- E HOJE O TEMA DA LIÇÃO SUGERE A SUPERIORIDADE DE CRISTO EM RELAÇÃO AO SACRIFICIO ANTIGO – ESSA ERA UMA PRATICA JUDAICA – DIFICIL DE SER QUEBRADA – DIFICIL SER MUDADA – ELES VIAM NISSO A SOLUÇÃO PARA OS PROBLEMAS – O PERDÃO PARA OS PECADOS – A LIBERTAÇAO

- NO ENTANTO ERA PRECISO QUE COMPREENDESSEM QUE AGORA NÃO ERA MAIS NECESSÁRIO O SACRIFICIO – JESUS ERA O PROPRIO SACRIFICIO – ELE SE ENTREGOU PELOS HOMENS –

- TODOS OS SINAIS HISTORICOS TIVERAM SUA VALIDADE E IMPORTANCIA – MAS AGORA CRISTO VEM DEFINITIVAMENTE PARA SUBSTITUIR TUDO AQUILO

- 1 – OS SACRIFICIOS DO ANTIGO TESTAMENTO FORAM EFICAZES PARA SEU TEMPO – CAP. 8.1-13

- TODOS OS SINAIS QUE DEUS PROMOVEU ANTES – TODOS OS RITUAIS – SACRIFICIOS – ERAM COISAS EXCELENTES – DEUS FOI QUEM FEZ – NO ENTANTO ELES HAVERIAM DE PASSAR – NÃO DURARIAM PARA SEMPRE – ERAM TRANSITÓRIOS

- CERTAMENTE AS PESSOAS NAQUELA ÉPOCA NÃO TINHAM A NOÇÃO QUE TEMOS HOJE – TEMOS A REALIDADE DOS FATOS – TEMOS FATOS CONCRETOS – CRISTO VEIO E ABOLIU DE VEZ OS RITUAIS – NÃO OS DESPREZOU

- O QUE OCORRE NA HISTÓRIA É QUE DEUS NUNCA ENSINA TUDO DE UMA VEZ – ELE IMPRIME AOS POUCOS O SEU PROPÓSITO –  POR ISSO ELE UTILIZOU AS FIGURAS QUE APONTAVAM PARA CRISTO

- DOS CAPITULOS 5 A 7 O AUTOR APRESENTA CRISTO COM SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO EM SEU MINISTÉRIO. PORQUE ?  – AQUELE QUE NÃO SOMENTE OFERECEU O SACRIFICIO – ELE FOI O PROPRIO SACRIFICIO VIVO

- E NESSES CAPITULOS 8 A 10 O AUTOR VEM ARGUMENTANDO AINDA SOBRE O ASSUNTO E AGORA MOSTRANDO QUE ARÃO MINISTRAVA NO TABERNÁCULO – ERA SACERDOTE NO TEMPLO – SACRIFICAVA

- OBSERVE O VERS. 2 – VERDADEIRO TABERNACULO – O AUTOR ENFATIZA QUE CRISTO SUPERA ARÃO EM SEU OFICIO – PORQUE?   – CRISTO MINISTRA NUM TABERNACULO ORIGINAL, MAIS EXCELENTE, GENUINO, AUTENTICO.

- É O MESMO QUE DIZER QUE O TABERNACULO DE CRISTO ESTÁ NOS CÉUS E O DE ARÃO NA TERRA – DÁ PRA IMAGINAR A DIFERENÇA – PELA PERFEIÇÃO QUE HÁ NO CÉU

- E DAÍ VEM AS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AO RESULTADO DA OFERTA – OS ANIMAIS ERAM RITUAIS PASSAGEIROS – ERA NECESSÁRIO FAZE-LO SEMPRE – ERAM INSUFICIENTES PARA O PERDÃO DOS PECADOS – COMO VIMOS EM ROMANOS 3.25 – DUS PASSAVA POR CIMA – ELE APLACAVA SUA IRA MEDIANTE OS SACRIFICIOS

- VEJA O VERS. 6 DO CAP. 8 – OBSERVE O QUE AUTOR DIZ : ELE É O MEDIADOR DE UM MELHOR CONCERTO O QUAL TEM SIDO…

- COMPARE COM EXODO 19.1-6 – 24 1-8 – REPARE NA EXPRESSÃO ESTAMPADA AQUI – MEU CONCERTO – LIVRO DO CONCERTO – SANGUE DO CONCERTO – PORQUE DEUS RENOVARIA UM CONCERTO EM CRISTO ?  SERÁ QUE DEU ERRADO ?

- VEJA OS VERS. 7 A 9 – TUDO O QUE DEUS FAZ É PERFEITO.  VOCE CRÊ ?  ENTÃO NÃO ERA POSSIVEL QUE ELE ERRASSE – PORQUE SERÁ QUE ELE RENOVA SUA ALIANÇA ENTÃO ?   É O CUMPRIMENTO DO QUE ELE PROMETEU. 

- VERS. 10 A 12 – VEJA  A PROMESSA DE DEUS PARA O FUTURO.  ONDE ELE DISSE QUE ESCREVERIA A LEI ?  E ONDE ERA ESCRITA A ANTIGA LEI ?   EXODO 31.18 – 32.15-16 – 34.1,28 – ERAM LEIS ESCRITAS EM PEDRAS E DEPOSITADAS NA ARCA.

2 – O SACRIFICIO DE CRISTO FOI ÚNICO – PERFEITO – EFICAZ – DEUS LANÇOU SOBRE ELE TODA A IRA QUE ERA CONTRA NÓS - CAP. 9.1-10

- APÓS A QUEDA DEUS TRAZ A TONA SEU PROPÓSITO.  QUANDO FOI QUE ELE PLANEJOU TUDO ?  A QUEDA O PEGOU DE SURPRESA ?   QUANDO FOI QUE CRISTO FOI MORTO ?

- DEUS VAI AOS POUCOS IMPLEMENTANDO SEU PLANO ETERNO.    O TABERNACULO ERA HABITAÇÃO DE QUEM ?  DEUS.

- LOGO DEPOIS O TEMPLO É PARA HABITAÇÃO DE QUEM ?  DEUS.     EM CRISTO DEUS ENTÃO VEM HABITAR NO CORAÇÃO DO HOMEM – O MESMO QUE HAVIA CAIDO NO JARDIM.

- CRISTO VEM INAUGURAR UMA NOVA ETAPA NA HISTÓRIA  O SEU SACRIFICIO LEVA O HOMEM DE VOLTA A DEUS.   O CORAÇÃO QUE REBELDE – DESOBEDIENTE A LEI  – INCAPAZ DE CUMPRI-LA – AGORA É TRANSFORMADO ATRAVÉS DE CRISTO.

- O HOMEM NASCIDO DE NOVO É CAPAZ DE CUMPRIR A LEI ?  PORQUE ?   ATOS 2.41 – 47 – GALATAS 5.22,23 

- VERS. 15 – ATRAVES DE JESUS, DEUS SE APROXIMOU DO HOMEM E LHE PROPÔS UMA ALIANÇA ETERNA QUE CULMINARÁ NA VOLTA DE SEU FILHO A TERRA.

- VERS. 16-17 – FALA DE MORTE – TESTADOR –  O QUE SERÁ QUE O AUTOR QUER NOS ENSINAR ?

- COMO ERA FEITO O SACRIFICIO ANTES ?  LEVITICO 16 A PARTIR DO VERS. 1.  QUE RITUAL ERA ESSE ?   ERA DE ANO EM ANO.  NÃO PODIA SER DIFERENTE SENÃO MORRIA.    ERA A EXPIAÇÃO PELO PECADO DO POVO.

- EXISTE UMA SENTENÇA JUDICIAL SOBRE O HOMEM.  O PECADO O TORNOU UM CULPADO IMPERDOAVEL – A LEI NÃO LHE DAVA TRÉGUAS – ELE DEVERIA MORRER.   E PORQUE DEUS NÃO EXIGE A MORTE DO HOMEM ?  PORQUE DEUS EXIGIA A PERFEIÇÃO DO CORDEIRO.   O HOMEM QUE FOSSE MORRER DEVERIA SER PERFEITO.

- O ANIMAL MORRIA – SEU SANGUE ERA DERRAMADO – ESSA ERA A OFERTA PELO PECADO.  E CERTAMENTE ESSE ANIMAL ERA LEVADO AO ALTAR – TALVEZ SENDO ATE  ARRASTADO JÁ ANTEVENDO SUA MORTE.

- NO ENTANTO CRISTO VEM PARA SE OFERECER-SE VOLUNTARIAMENTE –  VERS. 1-18 

- ELE ERA O PROPRIO SACRIFICIO – ELE ERA O CORDEIRO COMO OFERTA A DEUS. CAP. 7.26-27

- ATRAVÉS DE CRISTO DEUS IMPRIME SUA LEI NO CORAÇÃO DO HOMEM DEFINITIVAMENTE.   COMO HAVIA PROMETIDO EM JEREMIAS 31.        O QUE CRISTO FAZ ENTÃO NÃO É UM SIMPLES PAGAMENTO DE DIVIDA – ELE CUMPRE UM PROPÓSITO DE DEUS.    COMUNICAR AO HOMEM SUA PERFEITA VONTADE ATRAVÉS DA LEI EM SEU CORAÇÃO.

- VERS. 19-25 – AQUI O AUTOR ENFATIZA O PRIVILÉGIO DAQUELES QUE SÃO ESCOLHIDOS POR DEUS – TODO HOMEM CONHECE A LEI – SABE QUE UMA LEI DEVE SER CUMPRIDA – MAS SEM CRISTO ELES SÃO INCAPAZES DE TAL FAÇANHA.

3 – OS CRISTÃOS SÃO PRIVILEGIADOS – ELES NÃO SOMENTE FORAM SALVOS – MAS TEM ACESSO A DEUS – CONSEGUEM AGRADAR A DEUS – POR MEIO DE CRISTO JESUS EM SUA MORTE.    CAP. 10.19-39

- OBSERVE O VERS. 19 AO 22.    QUE CAMINHO É ESSE ?  PARA ENTRAR ONDE ?   O QUE É O SANTO DOS SANTOS ?  QUEM LEVAVA O POVO A PRESENÇA DE DEUS ?  O SACERDOTE.    ISSO ERA APENAS UM RITUAL.  AGORA TEMOS ACESSO A DEUS A TODO INSTANTE.    

- QUEM PODE CONDUZIR O HOMEM ATÉ LÁ ?    ENTÃO SOMOS PRIVILEGIADOS POR PODER ENTRAR NA PRESENÇA DE DEUS POR CRISTO.

- AGORA NÃO HÁ MAIS RITUAIS.  AGORA HÁ SIM UM CAMINHO ABERTO – UM COMPROMISSO FIRMADO – E DEVE HAVER UM DESEJO DE OBEDECER A DEUS.

- VEJAMOS OS VERSICULOS 26-31 – O QUE SIGNIFICA ISSO ?   O AUTOR ESTÁ FALANDO DE QUE ?

Salmo 19

Salmo 19 – O Valor da Palavra

Dentre os valores pregados pela reforma protestante do século XVI, um ocupará a nossa atenção nesta noite: Só a Bíblia.

Houve época em que a palavra do homem era documento. Hoje ela não vale nada, posto que há muita divergência entre o que se fala e o que se faz. Existe, no entanto, uma palavra digna de completa credibilidade, infalível e perfeita, que é a Palavra de Deus. Se a palavra é de Deus, é impossível separá-la de Seu próprio ser, pois é Ele quem fala, ou seja, um Deus fiel, perfeito e digno de toda credibilidade.

Nós reformados cremos que a Bíblia é nossa única regra de fé e prática. Cremos assim por causa de algumas importantes questões:

A Bíblia é uma revelação de Deus. Tudo o que nela se encontra, foi registrado para ser a mensagem de Deus ao homem. Revela aquilo que somente Deus podia saber, tem o mais elevado padrão de moral, tem poder influenciador em todo mundo, revela exatamente o que o homem precisa saber para suas necessidades materiais e espirituais.

A Bíblia é revelação inspirada por Deus. Esta inspiração foi plenária e verbal, ou seja, toda a Bíblia foi inspirada em todas as suas partes. O Espírito Santo inspirou homens santos para escreverem acerca de Deus, e embora usando suas experiências, inteligência e cultura, os guardou de cometerem erros.

A Bíblia então é inerrante. Inerrância não significa que os escritores não tinham faltas na vida, mesmo porque muitas delas foram registradas para nosso ensino, Significa que  foram preservados os erros dos seus ensinos.

As provas da inspiração estão em todo lugar: A Escritura está livre de absurdo, as profecias preditivas tem se cumprido, as declarações que transcendem a época em que foram escritas também são prova disso. O plano de salvação, a vida e obra de Cristo, a unidade dos livros da Bíblia, tudo se constitue em prova de que o livro é singular, único, divino e digno de crédito.

O protestantismo sempre foi a favor da autoridade absoluta das Escrituras. Se ela é palavra de Deus, tem autoridade absoluta. Os romanistas exaltam a autoridade da igreja acima da autoridade das Escrituras. Criticam os protestantes por tirarem a autoridade da igreja e coloca-la sobre um livro. Mas, a autoridade das Escrituras não deriva da igreja e nem precisa de sua afirmação. Quem afirma a autoridade da Bíblia é o próprio Deus.

Amamos a Bíblia por isso e regemos a nossa vida por ela. Por ela Deus nos dá Seu conselho e nos abençoa.

Neste salmo escrito por Davi existem dois assuntos principais: o universo, descrito pelos céus e a Bíblia. Ambos são revelação de Deus. Os céus revelam que há um Deus salvador e preservador. Mas, só a Bíblia revela Deus salvador. Por isso ela é revelação especial. Ela detalha as intenções e propósitos do Senhor, revela-nos seu caráter e poder. Ela é incomparável em termos de valor

Olhando para o salmo, vamos aprender com Davi sobre o valor da Palavra

Tema: O Valor da Palavra

1)      Ela é valorosa por causa de seus propósitos

Davi utiliza vários substantivos para se referir à Palavra de Deus. Dando a ela alguns títulos sugestivos:

·         Lei do Senhor (V.7) – Este termo é usado para que a vontade revelada de Deus seja plenamente entendida. A lei esclarece e mostra o caminho que deve ser seguido. Pecado é desregramento, é quebra da lei.

·         Testemunho (v.7) – refere-se ao aspecto da verdade atestada pelo próprio Deus. É o termo usado para declarar o pacto de Deus com seu povo.

·         Preceitos e mandamentos (v.8) – Estes indicam a maneira precisa e de muita autoridade de Deus ao se dirigir a nós.

·         Temor (v.9) – Fala de reverência e ressalta a resposta humana requerida pela Sua palavra. A Palavra de Deus precisa ser tratada reverentemente e seus apelos e ensinamentos respondidos com responsabilidade.

·         Juízos (v.9) – São as decisões judiciais que Ele registrou com respeito a várias situações humanas.

Portanto, estes termos demonstram o propósito prático da revelação escrita de Deus, que é aplicar a Sua vontade ao indivíduo, produzindo reverência, confiança bem fundamentada, e uma obediência incondicional. É por meio da Palavra que podemos conhecer aquilo que Deus requer de nós e qual a sua vontade para nossa vida.

2)      Ela é valorosa por causa de suas características

São vários os adjetivos utilizados pelo salmista para caracterizar a Palavra de Deus, indicando seus atributos.

Perfeita (v.7): aponta sua inerrância e completude. Só Deus produz algo assim.

Fiel (v.7): todas as promessas se cumprem. Ela é veraz.

Reta (v.8): Suas palavras apontam o caminho da justiça e equidade ao pecador.

Pura (v.8): Sem contaminação com o pecado, é santa como Deus é santo.

Límpida (v.9): divisora de águas, de intenções. Quem ama a Palavra vive por ela

Verdadeira (v.9): autêntica, palavra do próprio Deus a nós. 2 Pd.1.20-21

Desejável e doce (v.10): Sl.1.2

3)      Ela é valorosa por causa de seus resultados

Restaura a alma (v.7): Sl.119.50

Dá sabedoria aos símplices (v.7): Sl.119.98-100

Alegram o coração               (v.8): Sl.119.15,16

Ilumina os olhos                   (v.8): Sl.119.105

Permanece para sempre    (v.9): Sl.119.89,111, 112

Todos igualmente justos    (v.9): Sl.119.128-130

Admoestar                           (v.11): Sl.119.29,30

Discernir faltas                    (v.12): Sl.119.2,3

Tornar-nos irrepreensíveis (v.13): Sl.119.1,9,11,80,101

 

Conclusão: Há um tríplice testemunho acerca de Deus neste salmo:

A criação (v.1-6) que testifica o Deus criador

A Palavra (v.7-13) que testifica o Deus redentor

O cristão (v.14) que testifica ao mundo a veracidade do amor e graça de Deus

Éfeso uma igreja onde o amor esfriou

“Éfeso” significa “desejável”. Essa igreja, que começou bem a sua jornada rumo à Pátria celestial, havia abandonado o que lhe deu o conceito de desejável: o Amor. Quanto à doutrina, era ortodoxa e implacável, mas quanto à prática do amor, tornara-se heterodoxa, fria e seca. O amor é a essência da vida cristã. (Mt 24:12; 1Co 13). Uma igreja sem amor é uma igreja em decadência total. I. ÉFESO, UMA IGREJA SINGULAR

A cidade de Éfeso, capital da Ásia Menor, era uma das maiores cidades do mundo. Ali ficava o templo de Diana, uma das sete maravilhas do mundo antigo. Era uma cidade cosmopolita (que apresenta aspecto comuns a vários paises), essencialmente gentílica. Era uma cidade idólatra, um centro de magia. Ser crente em Éfeso não era popular. Lá ficava um dos maiores centros do culto ao imperador. Muitos crentes estavam sendo perseguidos e até mortos por não se dobrarem diante de César. Outros estavam sendo perseguidos por não adorarem a grande Diana dos Efésios. Outros estavam sendo seduzidos a cair nos falsos ensinos dos falsos apóstolos. Mas os crentes estavam prontos a enfrentar todas as provas por causa do nome de Jesus (Ap 2:2,3). Eles não esmoreciam. Permanecemos fiéis quando somos perseguidos, provados e seduzidos? Hoje muitos crentes querem a coroa sem a cruz; querem a riqueza sem o trabalho; querem a salvação sem a conversão; querem as bênçãos de Deus sem o Deus das bênçãos.

1. Paulo em Éfeso. Paulo visitou a cidade de Éfeso no final da segunda viagem missionária, por volta do ano 52 d.C. Em sua terceira viagem missionária, permaneceu em Éfeso três anos, ensinando tanto a judeus como a gregos, pregando tanto acerca do arrependimento como da fé em Cristo. Paulo tanto evangelizava como ensinava. Ele era um evangelista e um mestre. Em Éfeso, Paulo enfrentou feras, tribulações maiores que suas forças. Nessa cidade, o evangelho desbancou a idolatria. Durante sua primeira prisão em Roma, Paulo escreveu a carta aos efésios, agradecendo a Deus o profundo amor que havia na igreja. Através da instrumentalidade de Paulo, vários sinais de um poderoso avivamento podem ser constatados em Éfeso. Dentre eles destacamos:

a) os novos convertidos receberam um derramamento do Espírito (At 19:1-7). Aqueles que haviam recebido apenas o batismo de João, ao ouvirem sobre o Espírito Santo, foram batizados em nome de Jesus, receberam o Espírito Santo e tanto profetizaram como falaram em línguas. A mesma experiência que já havia acontecido em Jerusalém e Samaria agora acontecia também em Éfeso. Era a dispensação da graça estendendo seus horizontes para um campo totalmente gentílico.

b) os enfermos eram curados (At 19:11,12). O evangelho em Éfeso chegou não apenas em palavras, mas, sobretudo, em poder. Paulo pregou tanto aos ouvidos quanto aos olhos. Não apenas as pessoas foram perdoadas e salvas, mas também curadas e libertas. É importante ressaltar que a fonte do poder para curar não estava em Paulo. O milagre não era feito pelo poder inerente de Paulo. O evangelista Lucas diz que Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais do seu uso pessoal, diante dos quais as enfermidades fugiam, e os espíritos malignos se retiravam (At 19:11,12).

c) os crentes confessavam e denunciavam publicamente suas obras (At 19:18). Onde há avivamento, há confissão de pecados. Onde o pecado é encoberto, as chuvas do céu são retidas. Onde o pecado é escondido, o derramamento do Espírito não é revelado. Aqueles que crêem verdadeiramente em Cristo são os que confessam publicamente suas obras más e as abandonam. Os efésios convertidos a Cristo não se ocuparam de denunciar os pecados dos outros; eles denunciavam suas próprias obras, e isso de forma pública.

d) os laços com o ocultismo foram decisivamente rompidos (At 19:19). Muitos dos efésios convertidos a Cristo vieram dos redutos do ocultismo, tão abundantes em Éfeso. Eles não apenas denunciaram suas obras más, mas também queimaram em praça pública seus livros de artes mágicas. Não há compatibilidade entre a fé cristã e o ocultismo. Não há ligação entre Cristo e os demônios. Não há sintonia entre o santuário de Deus e os ídolos. Não há comunhão entre a luz e as trevas.

2. A solidez doutrinária de Éfeso. Em toda a Ásia Menor, não havia igreja mais dinâmi­ca e ortodoxa do que a de Éfeso. Era uma igreja apologética por excelência. Afinal, tivera o privilégio de ter como pastor, durante três anos, o apóstolo Paulo, o maior teólogo e mestre do Cristianismo (At 20:31). Durante esse tempo, Paulo lhe expôs todo o conselho de Deus (At 20:27). Até o próprio Jesus Cristo elogiou aquela igreja: “Eu sei as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos e o não são e tu os achaste mentirosos; e sofreste e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome e não te cansaste. Tens, porém, isto: que aborreces as obras dos nicolaítas, as quais eu também aborreço”(Ap 2:2,3,6). O preparo teológico da igreja de Éfeso era tão sólido, que o seu pastor capacitara-se, inclusive, a confrontar os que se diziam apóstolos (Ap 2:2); ela tinha discernimento espiritual. Tornou-se intolerante com a heresia (Ap 2:2) e com o pecado moral (Ap 2:6). Lutou de forma renhida contra as falsas doutrinas dos nicolaítas, que pregavam uma nova versão do cristianismo. Eles pregavam um evangelho liberal, sem exigências e sem proibições; eles queriam gozar o melhor da igreja e o melhor do mundo; eles incentivavam os crentes a comer comidas sacrificadas aos ídolos; eles ensinavam que o sexo antes e fora do casamento não era pecado; eles acabavam estimulando a imoralidade. Mas a igreja de Éfeso não tolerou a heresia e odiou as obras dos nicolaítas. A igreja evangélica brasileira precisa aprender nesse particular com a igreja de Éfeso. Infelizmente, estamos vivendo a época da paganização da igreja. A igreja está perdendo o compromisso com a verdade. As pessoas hoje parecem ter aversão à teologia ortodoxa. Elas buscam novidades. O que determina o rumo da igreja não é mais a Palavra de Deus, mas o gosto dos consumidores. A igreja não prega a Palavra, mas o que dá ibope. A igreja oferece o que o povo quer ouvir. A igreja está pregando outro evangelho: o evangelho do descarrego, do sal grosso, da quebra de maldições, da prosperidade material, e não da santificação; da libertação, e não do arrependimento. A igreja está perdendo a capacidade de refletir. Os crentes contemporâneos não são como os bereanos, nem como os crentes de Éfeso, fiéis à doutrina. Estamos vendo uma geração de crentes analfabetos em Bíblia, crentes ingênuos espiritualmente. Há uma preguiça mental doentia progredindo em nosso meio. Os crentes engolem tudo aquilo que lhes é oferecido em nome de Deus, porque não estudam a Palavra. Crentes que já deveriam ser mestres, ainda estão como crianças agitadas de um lado para o outro, ao sabor dos ventos da doutrina. Correm atrás da última novidade. São ávidos pelas coisas sobrenaturais, mas deixam de lado a Palavra do Deus vivo.

3. Uma igreja de ministros excelentes. Além de Paulo, a igreja em Éfeso foi pastoreada por Timóteo e Tíquico. Mais tarde, o apóstolo João pastoreou aquela igreja. Agora, depois de quarenta anos, Jesus envia uma carta à segunda geração de crentes, mostrando que a igreja permanecia fiel na doutrina, mas já havia se esfriado em seu amor. A tradição relata que quando João, já muito idoso e demasiado fraco para caminhar, foi levado à igreja de Éfeso, ele admoestava aos membros, dizendo-lhes: “Filhinhos, amemo-nos uns aos outros”(HENDRIKSEN, William. Mas que Vencedores, p. 69).

II. O PROBLEMA DE ÉFESO

1. Um grave problema. A igreja em Éfeso Ela era uma referência em toda aquela região da Ásia. Destacava-se por seu testemunho, esforço e extenuante labor pela expansão do Reino de Deus. Mas, apesar de todas as suas inegáveis virtudes e qualidades, havia um grave problema com a igreja em Éfeso: estava desconectada da prática da piedade e do exercício do amor. Se ela se dispusesse a resolver essa falha seria uma igreja perfeita. George Ladd comentando sobre o esfriamento do amor da igreja de Éfeso, diz: “Este era um fracasso que atacara, nas bases, sua vida cristã. O Senhor tinha ensinado que o amor mútuo devia ser a marca que identificava a comunhão dos cristãos (João 13:35). Os convertidos de Éfeso tinham experimentado esse amor nos primeiros anos de sua nova existência; mas parece que a luta contra os falsos mestres e seu ódio por ensinos heréticos trouxeram endurecimento aos sentimentos e atitudes rudes a tal ponto que levaram ao esquecimento da virtude cristã suprema que é o amor. Pureza de doutrina e lealdade não podem nunca ser substitutos para o amor” (Ladd, George. Apocalipse, p. 32).

2. O primeiro amor. Alguns acham que a perda do “primeiro amor” por parte da igreja de Éfeso era uma baixa produtividade ou um relaxamento no trabalho de Deus. Mas de acordo com o que Jesus falou na carta à Igreja de Éfeso, não se trata apenas de “relaxar” no trabalho de Deus, pois o Senhor lhes disse: “Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança” (Ap 2:2a). A igreja de Éfeso se destacava por suas muitas obras, seu labor árduo e sua perseverança paciente. Não tolerava homens maus em seu meio. Tinha a capacidade de discernir falsos apóstolos e lidar com eles de modo apropriado. Tampouco se trata de desânimo ou desistência, uma vez que nesta mensagem profética o Senhor Jesus louva a persistência desses cristãos de Éfeso: “e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer” (Ap 2:3). O que mais denota ou caracteriza a perda deste “primeiro amor” é o arrefecimento da chama da afeição. O entusiasmo ardente dos primeiros dias havia desaparecido. Ao olharem para trás, seus membros veriam dias melhores nos quais seu amor como noiva de Cristo fluía de modo caloroso, pleno e desimpedido. Continuavam firmes na doutrina e ativos no serviço, mas o verdadeiro motivo de toda adoração e serviço não estava presente. Precisavam se lembrar dos dias mais venturosos do início da fé, se arrepender da perda do “primeiro amor” e resgatar o serviço dedicado que havia caracterizado o princípio de sua vida cristã. De outro modo, o Senhor removeria o “candeeiro” de Éfeso, ou seja, aquela congregação deixaria de existir. Seu testemunho se apagaria. Infelizmente, foi o que aconteceu.

3. Amnésia do Amor. Como alguém pode esquecer de sua identidade? É isso mesmo, o amor é o cartão de identidade do cristão. Bem disse o pr. Claudionor de Andrade, “esquecer o primeiro amor não é incidente teológico, é que­da espiritual”. Jesus advertiu: “Deixaste o primeiro amor”(2:4). Isto se refere ao primeiro e profundo amor e dedicação que os efésios tinham por Cristo e sua Palavra. Esta advertência nos ensina que conhecer a doutrina correta, obedecer a alguns dos mandamentos e ir aos cultos na igreja não bastam. Quando nosso conhecimento teológico não nos move a nos afeiçoarmos mais a Deus o amor esfria. Conhecemos muito a respeito de Deus, mas não desejamos ter comunhão com ele. Como o profeta Jonas falamos que Ele é todo-poderoso, mas o desafiamos com nossa rebeldia. Falamos que ele é amável, mas não temos prazer em falar com ele em oração. A igreja deve ter, acima de tudo, amor sincero a Jesus Cristo e sua Palavra como um todo. O amor sincero a Cristo resulta em devoção sincera a Ele, em pureza de vida e em amor à verdade(2Co 11:3).Deixamos também nosso primeiro amor quando nosso amor por Jesus é substituído pelo nosso zelo religioso. Defendemos nossa teologia, nossa fé, nossas convicções e estamos prontos a sofrer e a morrer por essas convicções, mas não nos deleitamos mais em Deus. Não nos afeiçoamos mais a Jesus. Já não sentimos mais saudades de estar com ele. Os fariseus eram zelosos das coisas de Deus; observavam com rigor todos os ritos sagrados, mas o coração deles estava seco como um deserto. Hoje, também, existem crentes fiéis, mas sem amor. Crentes ortodoxos, mas secos como um poste. Crentes que conhecem a Bíblia, mas perderam o encanto com Jesus. Crentes que morrem em defesa da fé e atacam a heresia como escorpiões do deserto, mas não amam mais o Senhor com a mesma devoção. Crentes que trabalham à exaustão, mas não contemplam o Senhor na beleza de sua santidade. Sofrem pelo evangelho, mas não se deleitam no evangelho. Combatem a heresia, mas não se deliciam na verdade. Deixamos, ainda, nosso primeiro amor quando examinamos os outros e não examinamos a nós mesmos. A igreja de Efeso examinava os outros, mas não era capaz de examinar a si mesma. Tinha doutrina, mas não tinha amor. Era capaz de identificar os falsos ensinos e os falsos apóstolos, mas não identificava a frieza do amor em si mesma. Identificava a heresia nos outros, mas não sua própria apatia espiritual. Tinha zelo pela ortodoxia, mas estava vazia da principal marca do cristianismo, o amor.

III. VOLTANDO AO PRIMEIRO AMOR

Jesus adverte: “Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras…”(Ap 2:5). Estamos vivendo uma crise de valores na igreja. Abandonamos a simplicidade do evangelho. Substituímos a sã doutrina pelas novidades do mercado da fé. Trocamos a verdade pelo sucesso. Substituímos a pregação pelo espetáculo. Colocamos no lugar da oração, em que nos quebrantávamos e chorávamos pelos nossos pecados, os grandes ajuntamentos, em que saltitamos ao som estrondoso e ensurdecedor dos nossos instrumentos eletrônicos. “Precisamos desesperadamente voltar ao primeiro amor. Precisamos de um reavivamento que nos traga de volta o frescor da vida abundante em Cristo Jesus. Precisamos desesperadamente do revestimento e do poder do Espírito Santo. Precisamos de uma igreja fiel que prefira a morte à apostasia. Uma igreja santa que prefira o martírio ao pecado. Uma igreja que ame a Palavra mais do que o lucro. Uma igreja que chore pelos seus pecados e pelas almas que perecem, e não pelas dificuldades da vida presente. Precisamos de uma igreja que tenha visão missionária e compaixão pelos que sofrem. Uma igreja que tenha ortodoxia e piedade, doutrina e vida, discurso e prática. Uma igreja que pregue aos ouvidos e aos olhos”(Rev. Hernandes Dias Lopes).

1. Rica em obras, pobre em amor. O Senhor começa Sua carta com um elogio aos crentes efésios: “Eu sei as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência…”. Eles eram pacientes e trabalhadores. Era uma igreja que possuía um grau avançado de conhecimento bíblico, e não temia utilizá-lo em sua administração, a ponto de provarem os apóstolos para ver se eram realmente verdadeiros. Ou seja, podemos entender que era uma igreja que não tolerava o pecado. Seus crentes eram incansáveis em seus trabalhos em prol do Reino de Deus. Mas, de alguma forma, eles esqueceram-se do primeiro amor. É provável que quanto mais se ocupassem em seus trabalhos, mais se esquecessem de para quem estavam trabalhando e da comunhão que deveriam ter com Jesus. Isso o Senhor não iria permitir. Ele quer o nosso amor, mais do que as muitas ocupações que podemos ter em nossas igrejas. Até mesmo o auto-sacrifício sem o amor nada é, conforme destaca o apóstolo Paulo em 1Co 13:3: “E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria”.

2. Amar é a mais elevada das obras. O amor a Deus deve ser prioritário no coração de quem procura servi-lo (Mt 10:37). Deus se alegra em ver seus filhos dando prioridade a Ele. Priorizar a Deus é amá-lo acima de todas as coisas. Aliás, é o mandamento mais sublime: ““Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento” (Mt 22:37). Jesus não aceita que o amemos parcialmente; Ele requer que o amemos “de todo o nosso coração“. Devemos amá-lo, também, “de toda a alma“, ou seja, toda a nossa personalidade, toda a nossa individualidade tem de ser sujeita ao Senhor e à Sua vontade. Como sabemos, a alma humana é a sede dos pensamentos, das emoções, da personalidade, é o elemento que nos faz distintos uns dos outros e cujas principais faculdades são a vontade, o intelecto e o sentimento. Ora, é a submissão de tudo isto a Deus que significa o nosso amor ao Senhor. Quando amamos a Deus, colocamos nosso sentimento, nosso intelecto e nossa vontade a serviço do Senhor. Somente assim realmente demonstraremos que amamos a Deus. Muitos têm fracassado na fé, têm deixado de frutificar porque não amam de toda a alma, porque querem dar um espaço para o “eu”, quando deveriam renunciar a si mesmos (Mt 16:24) e deixar Cristo viver neles. Sigamos o exemplo do apóstolo Paulo e não mais vivamos, mas deixemos que Cristo viva em nós (Gl 2:20). Veja o belo exemplo de Habacuque que amava a Deus sobre todas as coisas, mesmo desprovidos de qualquer bênção material: “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação” (Hc 3:17,18).

IV. LEMBRANDO-SE DO PRIMEIRO AMOR

A igreja de Éfeso foi chamada a lembrar-se, a arrepender-se e a voltar à prática das primeiras obras. Caso esse expediente não fosse tomado, Jesus sentencia: “Se não te arrependeres, logo virei contra ti e tirarei o teu candelabro do seu lugar” (Ap 2:5). Jesus não apenas diagnostica a doença da igreja, más também lhe oferece o remédio eficaz. A igreja precisava reavivar sua memória, mudar sua mente e sua atitude. Não basta reconhecer o erro nem mesmo sentir tristeza por ele; é preciso voltar as costas ao pecado e a face para Deus em uma demonstração sincera de arrependimento. É preciso voltar às primeiras obras. É preciso resgatar o que se perdeu. É preciso voltar à simplicidade do cristianismo sem as sofisticações que agregamos na caminhada rumo ao Céu. A ordem de Jesus é arrepender e viver ou não se arrepender e morrer. O arrependimento produz vida; e a desobediência, morte. A falta de arrependimento apagou a lâmpada da igreja de Éfeso, e a mesma cidade que experimentara um poderoso avivamento no passado, agora jaz mergulhada em um caudal de trevas e obscurantismo. Como voltar ao primeiro amor? O próprio Jesus aponta o caminho de restauração: “Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras…”(Ap 2:5). Cristo falou de três passos práticos que devemos dar a fim de voltarmos ao primeiro amor: (1) “Lembra-te”; (2) “Arrepende-te”; (3) “Volta à prática das primeiras obras”.

1. Lembrar-se de onde caiu. Jesus foi enfático à igreja: “Lembra-te, pois, de onde caíste”. A igreja não está sendo chamada a relembrar seu pecado. Não está sendo dito: lembra-te em que situação caíste, mas de onde caíste. O filho pródigo começou seu caminho de restauração quando se lembrou da casa do Pai. O passado precisa novamente tornar-se um presente vivo. O profeta Jeremias declarou: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lm 3:21). A solução é nos lembrarmos de onde começamos a nos afastar do Senhor. Deus não nos manda aprender nada novo, apenas lembrar-nos de onde caímos: “lembra-te de onde caístes”. Algumas lembranças têm o poder de produzir em nós um caminho de restauração. Muitas vezes não nos damos conta daquilo que temos perdido. E uma boa forma de dimensionar nossas perdas é contrastar aquilo que estamos vivendo hoje com aquilo que já experimentamos antes em Deus. Relembrar os primeiros momentos de fé, de experiência com Deus é a melhor maneira de retomar a experiência do primeiro amor. Esse passo é de suma importância para os que se esqueceram de que a comunhão com o Senhor é mais importante do que as coisas que fazemos para Ele.

2. Arrepender-se. Em seguida Jesus disse: “arrepende-te“. Arrependimento não é emoção, é decisão. É atitude. Não precisa existir choro, basta decisão. O filho pródigo não só se lembrou da casa do Pai, mas voltou para a casa do Pai. Lembrança sem arrependimento é remorso. Essa foi a diferença entre Pedro e Judas. Arrepender-se representa mudar a mente, mudar a direção, voltar-se para Deus. Representa deixar o pecado. Representa romper com o que está entristecendo o nosso Senhor Jesus. O que está fazendo seu coração esfriar? Deixe isso de lado. Arrependa-se. Há uma solene advertência à igreja, caso ela não se arrependa. Jesus disse: “logo virei contra ti e tirarei o teu candelabro” (Ap 2.5). Candelabro é feito para brilhar. Se ele não brilha, ele é inútil, desnecessário. A igreja não tem luz própria. Ela só reflete a luz de Cristo. Mas, se não tem intimidade com Cristo, ela não brilha; se ela não ama, não brilha, porque quem não ama está nas trevas. Portanto, Jesus Cristo rejeitará toda congregação ou igreja que não se arrepender de sua falta de amor e obediência ao Senhor Jesus Cristo, e a removerá do seu reino.

3. Voltar a prática das primeiras obras. Finalmente Jesus disse: “volta à prática das primeiras obras“. Como mencionei no item III.1 acima, os crentes efésios eram ricos em obras. Foi o próprio Jesus quem o disse. Então por que voltar às primeiras obras? Certamente, esses crentes eram bastante esforçados em seus trabalhos em prol do Reino de Deus. Todavia, no trabalho que desempenhavam em prol do reino de Deus estava ausente o principal e indispensável elemento: o amor. É provável que quanto mais se ocupassem em seus trabalhos, mais se esquecessem de para quem estavam trabalhando e da comunhão que deveriam ter com Jesus. Nenhuma obra é completa e perfeita sem o amor incondicional a Jesus Cristo. Você que se afastou dele, que está frio. Você que deixou de orar, de se deleitar na Palavra. É tempo de voltar-se para Jesus, de se devotar novamente a Ele. Arrependa-se de ter deixado a verdadeiraortopraxia cristã, conforme os ditames da Palavra de Deus, e volte à prática das primeiras obras. Mas, não adianta se arrepender e depois repetidamente se arrepender. É necessário arrependimento e depois frutos do arrependimento, ou seja, as primeiras obras. Ninguém se arrepende de um pecado e continua praticando esse mesmo pecado. Amém?

CONCLUSÃO

A carta à igreja dos efésios nos ensina que a ortodoxia uma vez praticada sem amor, esfria e mata a verdadeira espiritualidade. Não podemos, a pretexto de “zelar” pela verdade, desconsiderar o cultivo de uma profunda espiritualidade banhada em amor. A nossa mensagem deve tocar mentes e corações. Assim, como o Senhor requereu da igreja de Éfeso, devemos voltar ao primeiro amor e encharcarmo-nos do Evangelho da Graça de Deus. —

A igreja de tessalônica

TEXTO : I TESSALONICENSSES 1.2-10

TEMA : UMA IGREJA GLORIOSA

INTR. IMAGINAÇÃO FERTIL – APOSTOLO PAULO PASSOU POR ESSA IGREJA – DURANTE ANOS ENSINANDO – EXORTANDO – COMPARTILHANDO – PRIVILÉGIO

ANOS E ANOS SENDO ENSINADOS POR ALGUEM QUE ESTEVE COM JESUS – E FOI DIRETAMENTE COMISSIONADO POR ELE PARA A EVANGELIZAÇÃO

HOJE ELE ESTARIA DE PARTIDA – DEVERIA ESCREVER UMA CARTA AO PRESBITERIO – DISTRIBUIR PARA TODAS AS OUTRAS IGREJAS UM RELATÓRIO DESSA IGREJA

O QUE ELE DIRIA DESSA IGREJA ? COMO ELE A DESCREVERIA ? QUAL SERIA SUA VISÃO DESSA IGREJA ?

COMUNHÃO – AMOR – PIEDADE – COMPROMISSO – TRABALHO – ENVOLVIMENTO – DOUTRINA ?

QUAIS SERIAM AS PALAVRAS DE PAULO A RESPEITO DE NÓS HOJE, DA MANEIRA QUE ESTAMOS ?

VEJAM AS PALAVRAS DELE SOBRE A IGREJA DE TESSALONICA – ELE É GRATO A DEUS POR AQUELES IRMÃOS – ELE OS MENCIONA EM SUAS ORAÇÕES – ELE RECORDA DESSES IRMÃOS TRAZENDO A TONA AS MARCAS DESSA IGREJA : A FÉ, O AMOR, E A ESPERANÇA

E MAIS ELE TINHA CERTEZA QUE ALI HAVIA CRENTES VERDADEIROS QUANDO DIZ A VOSSA ELEIÇÃO – NÃO POR MERITOS PROPRIOS MAS POR QUE ELE PREGOU ALI O VERDADEIRO EVANGELHO O QUE PRODUZIU UMA IGREJA VIVA

AGORA OBSERVEM O VERS. 6 – A IGREJA IMITANDO PAULO QUE IMITAVA O SENHOR JESUS – O QUE ISSO SIGNIFICA ?

A PALAVRA IMITAR AQUI : FAZER MIMICA – GESTICULAR AO INVES DE FALAR – TRADUZIR AS PALAVRAS EM GESTOS

SIGNIFICA QUE AQUELA IGREJA FAZIA EXATAMENTE O QUE APRENDERA COM PAULO POR MEIO DE PALAVRAS E AÇÕES

A FONTE DO APRENDIZADO DAQUELA IGREJA ERA PAULO QUE POR SUA VEZ APRENDERA COM CRISTO

AGORA OBSERVE O VERS. 7 – PAULO DIZ QUE AQUELA IGREJA ERA MODELO PARA AS DEMAIS – EM TODA A REGIAO NÃO SE FALAVA EM OUTRA COISA A NÃO SER SOBRE A IGREJA DE TESSALONICA

E O QUE ISSO TEM A VER COM O ASSUNTO QUE QUEREMOS DISCUTIR HOJE ?  TUDO.

O MODELO DAQUELA IGREJA ERA A VISÃO DO PROPRIO APOSTOLO PAULO – ELE MESMO ATESTAVA A VIDA DAQUELES IRMAOS

POR ISSO AS PERGUNTAS DO INICIO – O QUE PAULO DIRIA SOBRE NÓS ?  QUAIS SERIAM AS MARCAS DESSA IGREJA NA VISÃO DE PAULO ?

POIS SUA VISÃO DAQUELA IGREJA SE RESUME EM TRES PONTOS

1 – A FÉ – QUE TIPO DE FÉ ?   PARA CRER ?  PARA RECEBER MILAGRES ? PARA SER CURADO ? PARA TER SEGURANÇA EM DEUS ?

OPEROSA – O QUE SERIA UMA FÉ OPEROSA – QUE PALAVRA É ESSA, OPEROSA ? 

PRODUTIVA – QUE AGE – QUE TRABALHA – QUE VAI A LUTA – QUE ENFRENTA DESAFIOS – QUE ULTRAPASSA BARREIRAS

ESSA ERA A FÉ A QUE PAULO SE REFERIA – UMA FÉ QUE PRODUZIA UM PROFUNDO DESEJO DE IR A LUTA – TRABALHAR

O RELATO DE PAULO NÃO É FUTIL – ELE CONFIRMOU ESSA FÉ POR MEIO DE OUTROS – CAP. 3.2, 5-7 – PAULO TINHA CERTEZA DE QUE ESSES IRMÃOS ESTAVAM VIVOS NA FÉ – CAP. 1.8 – ELE NÃO PRECISAVA NEM FALAR SOBRE A FÉ DAQUELES IRMÃOS –

VAMOS QUE FÉ É ESSA QUE PAULO DEFINE AQUI – TIAGO CAP. 2.14-20

FÉ OPEROSA – FÉ QUE É O COMBUSTIVEL, O IMPULSO DA IGREJA A PRATICAR AS OBRAS DA LEI 

VEJAM O VERS. 19 – NÃO É MERITO NENHUM CRER E DIZER AO MUNDO QUE DEUS É UM SÓ – VEJAM QUE ATÉ OS DEMONIOS CREEM – ELES TREMEM ( SENTEM ARREPIOS) – FICAM APAVORADOS – MAS ELES NÃO PRATICAM SUA FÉ – ELES SÃO INUTEIS

2 – AMOR ABNEGADO – O QUE SIGNIFICA ISSO ?  ABNEGAR : RENUNCIAR OS PROPRIOS INTERESSES E DESEJOS, ABRIR MÃO DE SI, ENTREGAR O QUE TEM PARA O OUTRO, SER SOLIDARIO ETC.

CAP. 4.9-10 – ELES VIVEM CONFORME DEUS OS INSTRUIU – CONFORME APRENDERAM DE PAULO

MAS A MELHOR DEFINIÇÃO DESSA PALAVRA : PAULO DÁ EM I CORINTIOS 13

AQUI NÃO ESTA FALANDO DE MARIDO E MULHER SOMENTE – ESTA FALANDO DE UMA COMUNIDADE – DA IGREJA – DE PESSOAS DIFERENTES – MAS QUE TEM O MESMO ALVO, A MESMA FÉ

UMA IGREJA SEM AMOR É A COMIDA SEM TEMPERO – VISTOSA – SABEMOS QUE É UM LINDO PRATO – MAS AO PROVAR-MOS NÃO CONSEGUIMOS ENGOLIR

O AMOR PRODUZ AMIGOS – DESFAZ BARREIRAS – QUEBRA MUROS – DESTROI PAREDES –

EM CONTRAPARTIDA  CONSTROI PONTES – ENCURTA OS CAMINHOS – PROMOVE A PAZ A PROSPERIDADE A COMUNHÃO.

O AMOR É O MAIS IMPORTANTE DOS DONS – ELE PREVALECERÁ NA ETERNIDADE

ACABAM A ESPERANÇA E A FÉ MAS O AMOR JAMAIS TERÁ FIM.

3 – UM FIRME ESPERANÇA – ESPERANÇA EM QUE ? 

O TEOR DESSA CARTA É A VOLTA DE CRISTO – PAULO A ESCREVE COM O INTUITO DE LEVA-LOS A ESSA VISÃO GLORIOSA – CAP. 4.13-18 / 5.3,6,10

A IGREJA VERDADEIRA ENQUANTO VIVE AQUI NÃO TIRA OS OLHOS DO FUTURO – NÃO SE APEGA AS COISAS DAQUI

O QUE PAULO ESTA DIZENDO É QUE ESSES IRMÃOS DEMONSTRAVAM ESSA VIVA ESPERANÇA NA VOLTA DE JESUS – A MORTE PARA ESTA IGREJA ERA LUCRO

NEM A INFLUENCIA DE ROMA SOBRE ELES ERA CAPAZ DE LHES DESANIMAR  OU TORNA-LOS FRACOS

ELES TINHAM A VISÃO DA GLÓRIA FUTURA – SUAS OBRAS DIGNIFICAVAM O NOME DE DEUS – DEMONSTRAVAM O DESAPEGO AS COISAS MATERIAIS – ATESTAVAM A IDENTIDADE DE CADA UM – CIDADÃOS DO CÉUS – NOVAS CRIATURAS

A ESPERANÇA DE UMA VIDA PLENA NO FUTURO NOS FAZ ESQUECER QUE ESTA É UMA VIDA PASSAGEIRA

QUEM VIVE SEM ESPERANÇA NÃO TEM MOTIVOS PARA SE ALEGRAR – AINDA QUE SEJA RICO – PODEROSO – CHEIO DE PODER

MAS A ESPERANÇA DELE É SOMENTE PARA ESTA VIDA – ELE NÃO TEM A VISÃO DA GLORIA VINDOURA QUE HÁ DE SE REVELAR NA VOLTA DE CRISTO

A IGREJA SE ALEGRA ENQUANTO É PERSEGUIDA – A IGREJA EXULTA DIANTE DAS LUTAS – A IGREJA DECLARA A GLÓRIA DE DEUS ENQUANTO É ATACADA

MAS A IGREJA NÃO PERDE A ESPERANÇA – POIS ELA É A RAZÃO MAIOR DA VIDA DA IGREJA – A CERTEZA DA VOLTA DE CRISTO

ENTÃO, SERA QUE PAULO NOS DARIA ESSE PRAZER ? DE DIZER EM SUA CARTA QUE ESSA É UMA IGREJA QUE TEM UMA FÉ OPEROSA, UM AMOR ABNEGADO, E UMA ESPERANÇA FIRME

SE NÃO O QUE NOS FALTA ?

DOUTRINA ? ENSINAMENTO ? EXEMPLOS DA LIDERANÇA ?

SE NÃO QUE DESCULPA DAREMOS A DEUS POR NÃO PRATICARMOS A VERDADEIRA RELIGIÃO ?

                                                         CONCLUSÃO

A FÉ OLHA PARA CRISTO, SEU AUTOR E CONSUMADOR

O AMOR OLHA PARA A IGREJA QUE É ONDE DEVE COMEÇAR SUA PRATICA

A ESPERANÇA OLHA PARA O FUTURO QUE É DE ONDE VIRÁ A CONSUMAÇÃO DAS PROMESSAS DE DEUS A SUA IGREJA.

O Senhor é meu pastor

Salmo 23

“O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”

 

Este é com certeza o salmo mais conhecido da Bíblia. Fala sobre providência e cuidado de Deus para conosco. Foi escrito por Davi, pastor de ovelhas, músico, soldado e por fim, rei de Israel. No primeiro versículo do texto, encontramos algumas observações preciosas de Davi na sua relação com Deus.

 

1ª) Deus é Senhor: Assim ele começa falando de Deus, como Senhor. Aquele que criou todas as coisas e governa todas as coisas. Quem detém o controle da vida de todos os mortais e conduz com propriedade e sabedoria o destino do mundo. Ele é Senhor e não há outro. No Salmo seguinte, o 24, Davi diz que “Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e aqueles que nele habitam”. Falar assim com Deus mostra reverência e conhecimento. Ele é Senhor. Javé é o termo usado no original hebraico e serve para apresentar o senhorio e supremacia do Deus de toda a terra.

 

2ª) Deus é pastor: Esta é a segunda designação que Davi fala acerca de Deus. Em outras palavras ele quer dizer que o Deus soberano e majestoso se pôs numa relação mais intima, cuidadosa e graciosa conosco. Ele nos pastoreia. Davi era pastor e sabia bem o cuidado que era preciso dispensar ás ovelhas. No salmo ele lista sete aspectos desse cuidado pastoral: Ele faz, Ele guia, Ele refrigera, Ele lidera, Ele está conosco, Ele comunga conosco, Ele unge minha cabeça. Segundo o Novo Comentário da Bíblia, “o conceito dominante é o de Deus na qualidade de guia e protetor através das vicissitudes da vida”.

 

3ª) Deus é meu: Finalmente, este pronome possessivo é a mais pertinente lição de Davi. Uma coisa é saber que é Deus e o que ele faz por nós. Outra bem diferente é render-se a Ele. Se Ele é pastor, necessário se faz que eu seja ovelha do seu pastoreio. Davi tinha Deus em seu coração. Aliás, era chamado “homem segundo o coração de Deus”. Ele sabia que o Senhor onipotente cuidava dele em todos os momentos e circunstâncias e por isso, o Salmo 23 expressa mais que ensino e didática: ele traduz a vida, a relação que o homem deve ter com o criador.

 

E você? Também pode dizer “O Senhor é meu pastor?”

A presença de Jesus na familia é fundamental

A Diferença que Jesus faz na Família

Situações adversas e inesperadas conspiram contra a família e a alegria ameaça ir embora

O casamento é o palco onde se desenrola os grandes dramas da vida. O casamento é o sonho de uns e o pesadelo de outros. É lugar de vida para uns e também ante-sala da morte para outros. É na família que celebramos as nossas vitórias e é também nela que curtimos a nossa dor mais amarga.

O texto de João 2.1-11, nos fala que Jesus foi a uma festa de casamento. Ele participa conosco dos nossos momentos de alegria Ele celebra conosco as nossas vitórias. Esse texto tem algumas lições que podem revolucionar sua vida e salvar o seu casamento:

 

1. Jesus é a pessoa mais importante a ser convidada para o casamento – Jesus estava presente naquele casamento de Caná da Galiléia. Ele foi convidado e lá compareceu. A presença e a intervenção de Jesus naquele casamento salvou aquela família de um grande constrangimento. A maior necessidade das famílias hoje é da presença de Jesus. As pessoas não estão precisando tanto de mais dinheiro ou mais conforto, mas da presença de Jesus na família. Seu lar pode ter tudo: dinheiro, conforto, saúde, amigos e prosperidade, mas se Jesus ainda não é o centro da sua vida e do seu lar, está faltando o principal. Só Jesus pode satisfazer a sua alma e dar sentido pleno à sua vida e à sua família.

2. Mesmo quando Jesus está presente, os problemas acontecem – Jesus estava presente, mas o vinho acabou na hora da festa. O vinho é símbolo da alegria. Muitos casamentos estão caminhando pela vida sem o vinho da alegria. Há aqueles que perdem a alegria mesmo na festa nupcial. Há casamentos que estão vivendo o drama do desencanto, da decepção e da amargura. Há muitos casais feridos, machucados e desiludidos. Há famílias que mesmo pertencendo ao Senhor, curtem a dor da separação, vivem o estigma da desarmonia e não conseguem experimentar a verdadeira alegria na vida familiar. Em algum momento da caminhada, a alegria foi perdida. Situações adversas e inesperadas conspiraram contra a família e a alegria ameaça ir embora.

3. Precisamos discernir com rapidez quando a alegria está acabando – Maria, usando sua acuidade espiritual e sua profunda percepção feminina, livrou aquela família de um grande vexame. Ela percebeu que o vinho estava acabando e que alguma coisa deveria ser feita. Ela não ficou parada. Ela não guardou o problema só para ela. Ela tomou uma iniciativa. Ela estava ligada. Precisamos também estar com as antenas ligadas. Precisamos ter olhos abertos para ver o que acontece na família. Muitos casamentos naufragam porque os cônjuges não discernem as crises no seu nascedouro. Não agem preventivamente. Deixam o tempo passar e quando vão buscar ajuda já é tarde demais.

4. Precisamos recorrer à pessoa certa na hora da crise – Maria buscou a Jesus. Ela levou o problema à pessoa certa. O segredo da felicidade conjugal não é a ausência de problemas, mas ter sabedoria e pressa para levar os problemas a Jesus. Muitos casais ao entrarem em crise, buscam solução onde não há solução. Cavam cisternas rotas onde não há água. Buscam ajuda em caminhos que só os fazem desviar mais da vereda da felicidade. Jesus é a resposta para a família. Ele é a solução de Deus para o lar. Precisamos levar os problemas da família e deixá-los aos pés de Jesus. Dele vem o nosso socorro. Do céu promana a nossa ajuda.

5. Precisamos obedecer e fazer o que Jesus manda – Jesus mandou os serventes encher de água as talhas. Aquela ordem parecia absurda. Eles poderiam ter questionado, dizendo: nós não estamos precisando de água. O que está faltando aqui é vinho. Mas se queremos ver as maravilhas de Deus acontecendo na família, precisamos exercer uma pronta obediência às ordens de Jesus. Precisamos deixar de lado nossas racionalizações e fazer o que ele nos manda. Sempre que obedecemos a Jesus nossa vida é transformada. Sempre que o casal se dispõe a obedecer a Palavra de Deus, o vinho da alegria começa a jorrar de novo dentro do lar.

6. Precisamos ser guiados pela fé e não pelos nossos sentimentos – Aqueles serventes não questionaram, não relutaram nem duvidaram da ordem de Jesus. Eles obedeceram prontamente. Eles creram e agiram. Eles encheram de água as talhas. Eles levaram a água ao mestre sala. Mas quando este enfiou a cuia dentro da água, um milagre aconteceu: a água se transformou em vinho. O milagre da transformação acontece quando nos dispomos a crer e a confiar. Quando fazemos o que Jesus ordena, mesmo que a nossa razão não consiga explicar, experimentamos as maravilhas divinas. Feliz é a família que vive pela fé. Bem-aventurada é a família que obedece a Palavra de Deus.

7. Quando Jesus intervém na família, o melhor sempre vem depois – O vinho que Jesus ofereceu era de melhor qualidade. O costume era sempre oferecer primeiro o melhor vinho, depois servia-se o inferior. Mas com Jesus o melhor vem sempre depois. A vida com Jesus não tem decepções. O casamento não precisa ser uma descida ladeira abaixo. Com Jesus, o casamento é uma aventura cada vez melhor. Os melhores dias não foram os da lua de mel. Os melhores dias estão pela frente. Quando Jesus reina na família a vida conjugal se torna mais consistente, mais profunda, balsamizada por um amor mais maduro e sublime. Muitos casais, infelizmente, estão juntos por causa dos filhos; moram na mesma casa, dormem na mesma cama, mas o coração já está vazio de amor. Os sonhos de uma vida feliz já morreram. Mas, quando Jesus intervém, o amor é restaurado, a alegria volta a pulsar e a família experimenta os milagres do céu.

8. Quando Jesus intervém na família, as pessoas glorificam a Deus e passam a crer nele – Não há milagre maior do que uma família transformada. Não há nada que promova tanto a glória de Deus do que ver um casamento sendo restaurado e uma família experimentando a alegria verdadeira, depois de um tempo de tristeza e dor. Os discípulos de Jesus passaram a crer nele depois desse milagre e muitos glorificaram a Deus. Jesus é o mesmo. Ele nunca mudou. Ele ainda continua fazendo maravilhas na vida das famílias. Ele pode restaurar também a alegria lá na sua casa. Ele pode mudar a sua sorte. Ele pode curar as suas feridas, restaurar a sua alma e refazer o seu casamento. Ele pode derramar amor em seu coração. Ele pode lhe dar capacidade de perdoar. Ele pode transformar o seu deserto árido em manancial. Ele pode fazer florescer no seu coração a esperança de uma nova vida, de um casamento restaurado, de uma família cheia de verdor e felicidade!

Rádio Manancial 24 horas no ar

Rádio Manancial 24 horas no ar

Rádio que toca música gospel de qualidade e fala do amor de Deus através de mensagens edificantes.  Ouça e se apaixone.

As promessas de Deus não falham jamais.

As vezes em meio aos problemas e tempestades da vida nos esquecemos das promessas de Deus, e que ele não é homem para mentir e nem filho do homem para se arrepender. Portanto, assim como os discipulos no barco, que em determinado momento daquela viagem sentiram medo, nós tambem as vezes passamos por isso. O motivo é que nos esquecemos que Jesus é o próprio Deus e portanto tem autoridade sobre todas as coisas e pode acalmar ate a mais amedrontante tempestade.

Os números de 2012

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

600 pessoas chegaram ao topo do Monte Everest em 2012. Este blog tem cerca de 7.100 visualizações em 2012. Se cada pessoa que chegou ao topo do Monte Everest visitasse este blog, levaria 12 anos para ter este tanto de visitação.

Clique aqui para ver o relatório completo

Deus quer sua vida

Santidade é o que Deus quer.

Isaias 1.13 diz : Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniqüidade associada ao ajuntamento solene.

Que tipo de oferta temos para oferecer ? Vão é tudo o que não tem valor, ainda que seja muito caro, ou algo que não tem utilidade ainda que imprescindível. Deus não aceita trocas, nem se prende a favores. O que torna uma oferta aceitável não é a quantia, beleza exterior, é o fato do coração do ofertante ser sincero, puro e quedado a obediência ao seu Senhor. Isso as vezes custa vida do próprio ofertante. Se você não tem a vida a oferecer não adianta entregar mais nada. Deus não suporta pessoas religiosas que pregam santidade mas não abrem mão da luxuria, que dizem não façam, mas praticam coisas impublicáveis. Ajuntamento solene é algo que Deus repudia. Pessoas que cantam com muito vigor e alegria, mas por dentro estão doentes e cheias de iniquidade. Parecem ser sinceras, mas não abandonam a maldade a impiedade e não exercem a misericórdia. São capazes de pregar a misericórdia mas negam o pão ao próximo. Tem a aparência de pureza, mas tem a mente apodrecida. Na verdade nunca abandonaram o passado. Continuam mentindo, falando mal, burlando leis, passando a perna no próximo. É assim que muitos estão se apresentando a Deus. Tem coragem de entrar na sua casa para lhe oferecer um culto vivendo a vida dessa forma. Deus deixa bem claro aqui para esse povo. Ele não aceita um culto de qualquer maneira. O que ele deseja receber é o que ele mesmo escolhe, nada além e nada menos que isso. Muitos tem coragem de adorar a Deus mesmo vivendo uma vida pecaminosa e sem compromisso, e conseguem viver uma vida dupla se apresentando como santos dentro da igreja, quando na verdade são verdadeiros hipócritas que pra quem não sabe é o mesmo que ser um ator representando um personagem. O que Deus quer é sua vida e é isso o que ele procura, adoradores que o adorem em espírito e em verdade. Antes de oferecer algo a Deus, coloque sua vida no altar em sacrifício vivo, santo e agradável a ele. Deus se agradará de você e de sua oferta. Que Ele te abençoe.

Palavra que transforma

A palavra que transforma

O capitulo 5 do evangelho de Lucas narra uma história interessante.    Parecia mais um dia qualquer à beira de um mar chamado Genesaré, onde alguns homens voltavam de uma longa noite de pescaria sem nada apanhar e se deparando agora com uma grande multidão e um homem falando de algo que eles talvez ainda não tivessem ouvido.    Jesus se dirigiu para aquele lado da cidade a fim de atrair essa multidão e ali estrategicamente pregar a palavra de Deus.    Geralmente era grande o numero dessas pessoas ali a espera dos pescadores que trouxessem logo pela manhã o peixe fresco e bom para ser consumido.    Era um tipo de comércio muito lucrativo e honroso.    Mas o que nos chama a atenção aqui nessa passagem além é claro dessa cena, é o fato de estar ali um dos homens talvez mais comentados ao longo dessa nossa era por sua postura sempre muito incisiva e as vezes até precipitada.   Pedro tinha um temperamento forte, falava as vezes sem pensar, mas era sem duvida alguma um líder inquestionável.    Porque falar de pedro ?   o que ele tem a ver com o que queremos enfatizar ?    Bom, como sempre é ele o protagonista de mais uma situação onde aprendemos alguma lição.   Como dissemos no inicio, os pescadores que ali estavam nenhum peixe haviam pescado durante toda aquela noite tentando.    Pedro era um deles.    E ao chegarem a beira mar eles quem sabe já desanimados estavam ali lavando suas redes, sem nada para apresentar aquela multidão, e muito menos em casa.   A noite não foi boa, nada apanharam.    Eis que de repente Jesus chega e entra em um dos barcos ali ancorados.    De quem ?  Pedro.     Ora, esse pedro é mesmo um homem de sorte diriam alguns.     Depois de uma noite ruim quem veio ao seu socorro ?    Nada mais nada menos que o filho de Deus.    Não foi sorte, foi providencia.   Jesus está ali para comunicar algo aqueles homens.     Ele nunca joga palavras ao vento, ao contrário, junto delas sempre tem a verdade a nos ensinar.      A palavra de Jesus é poderosa e digna de toda a confiança e aceitação, ele é o próprio Deus vivo e verdadeiro.    Quando ele fala o mundo se cala, os montes se abalam, a terra treme o mar se assanha.     Pedro está desanimado, nada de peixe, nada de lucro, nada do que se orgulhar naquela noite frustrante.    De repente algo muda aquele quadro desolador, alguém diz a pedro : “Lance as redes do outro lado mar”.     Pensando em pedro como alguém de estopim curto, aquela era uma boa oportunidade para dar boas risadas.    Ora a gente ficou a noite inteira tentando de um lado, do outro e nada, e agora ele nos diz que é pra jogar de novo a rede ?     Quem sabe pedro já tivesse até ouvido alguém lhe dizer isso ?   Pedro tente aqui, ou tente ali, ou lá.     Já não havia esperanças, ninguém seria capaz de mudar a cabeça de pedro.    Ninguém senão apenas aquele que tem as palavras de vida de salvação e de poder.     Pedro não é bobo, ele sabe que daqueles lábios vem palavras poderosas e transformadoras e então mais que depressa lança suas redes onde ele indicara.    O resultado foi fantástico, peixes, muitos peixes, e mais peixes, tantos que as redes se romperam.     O que aprendemos aqui ?    Você talvez esteja lavando suas redes, seu casamento está frio, sua vida sem sabor, sem amigos no trabalho.     Ninguém é capaz de mudar esse quadro.    Você já ouviu tantos conselhos de pessoas até conceituadas e com experiencia, mas nada, nada acontece.    Você luta, luta e nada, tudo continua da mesma maneira.     Jesus lhe diz lance as redes do outro lado.   Em outras palavras, tem algo errado com você.      Quem sabe você esteja lutando de forma errada, com suas próprias forças.   Ouça a palavra de Jesus e creia nele.    O resultado será fantástico, a colheita será maravilhosa, a transformação será imediata.   As redes irão se romper de tal maneira que você jamais deixará de crer nesse que é o próprio filho de Deus e tem as palavras de vida.

Lençol sujo

Um casal recém-casados, mudou-se para um bairro muito tranquilo..   Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher olhou através da janela uma vizinha que pendurava lençóis o varal e comentou com o marido :”Aquela mulher está pendurando lençóis sujos no varal.    Acho que ela está precisando lavar direito as suas roupas de cama.    O marido levantou-se, pegou um pano úmido e limpou os vidros da janela de sua cozinha e disse à sua esposa : “Olhe novamente”.   Ela se espantou ao olhar e ver que os lençóis estavam brancos como a neve.    O que lhe restou foi rir daquela situação e aprender uma lição : Jamais julgar ou falar mal de alguém sem ter certeza.          Mateus7.3,5 – Porque vês o cisco no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no teu olho ?    Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão.

Eu decidi obedecer

Quero ser como abraão que saiu de uma terra com todo o conforto deixando pra traz família, bens, patrimônio e toda uma vida já construída, obedecendo à voz de Deus que disse : Sai da tua terra e vai para outra que eu te mostrarei….Deve ter sido difícil para abraão tomar aquela decisão, mas ele decidiu obedecer.    Quero ser como Noé que pela fé construiu uma arca sob a promessa de Deus de que um grande dilúvio viria sobre a terra causando a morte de todos os seus moradores, sendo ele e sua família preservados.   Noé poderia ter questionado : “Mas Deus, eu não sei fazer uma arca, eu não tenho como cortar madeiras, eu não tenho ferramentas, eu não tenho a minima idéia do que é um dilúvio”.  Diz a Palavra que ainda não havia chovido na terra, e portanto ninguém sabia o que era uma simples chuva, que dirá um dilúvio. Noé poderia questionar dizendo a Deus :”Eu não posso fazer o que o Senhor me pede.   Mas a Bíblia diz que ele fez tudo quanto Deus ordenou.   Noé também decidiu obedecer.   Que dizer de moisés que cumpriu à risca todas as ordens de Deus dentre as quais talvez a mais conhecida e marcante o toque no mar para que as águas se abrissem e o povo passasse.   Moisés não ficou perguntando a Deus se era assim ou assado, muito menos duvidou que o mar pudesse se abrir.   O livro de êxodo relata diversas vezes que Moisés fez tudo quanto o Senhor lhe ordenou.  Ele também decidiu obedecer.     Resulto de tudo isso foi que nada deu errado, tudo funcionou na mais perfeita ordem, porque quando Deus fala acontece.   Importa obedecer a Deus.   Não ofereça culto a ele de qualquer maneira, faça conforme ele mesmo deseja receber.

O bom tempero

Uma das coisas mais importantes da vida é o tempero. ah, que coisa boa é poder saborear uma comida bem temperada, no ponto, do jeito que só as boas cozinheiras sabem preparar. Não é preciso ser especialista ou meste cuca, basta ter a medida exata e ee um bom tempero fará toda a diferença no sabor. Se comemos algo sem tempero percebemos logo e deixamos de lado. Isso equivale dizer que o tempero faz toda a diferença na vida. Já parou pra pensar que assim como a boa comida passa por um bom tempero a vida da gente acaba nos proporcionando uma bela comparação com esse pequeno mas importante componente. Será que nós no dia a dia temos sido tempero para as pessoas, temos salgado nossos relacionamentos, temos feito a diferença. Porque por outro lado, tanto a ausência do tempero quanto o excesso fazem a diferença no sabor. Então é bom pensarmos, será que temos sido o tempero exato e eficaz na vida do próximo ? Será que nossa ausência causa saudade em alguém, ou temos sido tão presentes que causamos enjoo ? No seu trabalho você faz a diferença ? No seu meio social, na sua casa, pra sua vizinhança ? Será que como o bom tempero você tem tornado a vida mais saborosa, ou o excesso tem estragado a mesma ? Pense nisso, faça a diferença no seu meio. Seja a medida exata do bom tempero na vida daqueles que estão ao seu redor, contagie com o bem, promova a paz e seja feliz. Faça pessoas felizes.

O vaso e o oleiro

No capitulo 18 do livro escrito pelo profeta Jeremias, Deus nos apresenta uma cena interessante.   Ele convida o profeta a ir à casa de um oleiro a fim de que lá ouvisse suas palavras a respeito do que ele desejava fazer a israel.   Em se tratando de profeta que só  repetia o que Deus mandava, Jeremias em principio deve ter estranhado essa atitude de Deus.   Ora, porque ele não fala aqui  mesmo e eu transmito ao povo o que ele quiser, talvez perguntasse Jeremias.   Mas o que Deus queria mostrar ao profeta era algo profundo e que talvez necessitasse de algumas lições praticas no intuito de que Jeremias também compreendesse a mensagem de forma mais profunda.    Não está escrito no livro, mas lá na casa do oleiro ele deve ter aprendido como se faz um vaso, ou seja, todo o processo desde a escolha do barro até sua arte final e uso.    Ele deve ter pensado, quem vê um vaso lindo e maravilhoso sendo usado não tem a minima idéia de como ele é feito e que tipo de barro é usado para isso.    Bom, só pra se ter uma idéia, o barro é mal-cheiroso e não é facilmente encontrado, pois necessita ter uma consistência média, pois barro duro demais não serve para ser vaso,  nem mole demais, tem que ter o ponto ideal.     Esse é o material usado pelo oleiro para dar forma à sua imaginação.    Em relação ao oleiro, é ele quem manuseia o barro, quem o escolhe, quem o separa, quem o modela, quem o faz, quem o quebra, quem o refaz.    O vaso em momento algum dá qualquer opinião ao oleiro sobre sua forma ou aspecto, ou como gostaria de ser, assim ou assado.       O oleiro tem toda a autoridade sobre o vaso e faz dele l que quiser.    Essa era a lição que Jeremias deveria aprender e repassá-la a israel, que era um povo de dura cerviz, difícil, orgulhoso, e que não se deixava moldar.    Assim, são muitos em nossos dias, parecidos com esse povo de israel.   Mas Deus não brinca de fazer vasos, ele faz deles o que quer e como fez com muitos em israel, fará tambem no nosso tempo.    Lição bonita e prática que Jeremias aprendeu e nos ensinou.

Somos iguais na morte

Haverá um dia que todas as diferenças da vida desaparecerão diante dos olhos do mundo. O poder não dará mais o direito a ninguém levar vantagem onde houver valores a serem ajuizados, o dinheiro não poderá mais determinar se alguém mora na favela ou no condomínio fechado do bairro nobre, as roupas não farão mais distinção entre o pobre e o rico, a cor e a raça não serão mais  objetos de preconceito, a posição social não dará mais status a ninguém, o tipo de emprego, uns melhores outros piores, o estilo de vida, fartura ou necessidade, a capacidade de persuadir, a voz mais forte ou mais fraca, a inteligencia ou a falta dela, enfim tudo o que antes seria motivo de comparação entre o melhor e o pior, entre o ruim e o bom, entre o grande e o pequeno, entre o forte e o fraco, ,um dia já não mais será. Que dia será esse ? Basta olhar por alguns minutos para um cemitério. Ali estão lado a lado, o rico e o pobre, o forte e o fraco, o bom e o ruim, o maior e o menor, aquele que humilhou ou o que foi humilhado, aquele que sorriu por ter mais, ou aquele que sofreu por nada ter, todos em meio a catacumbas frias e sem forma.    De que vale o poder, o dinheiro, a fama, o orgulho, a presunção de se achar melhor que o outro, se o túmulo é o lugar para onde irão todos ? Porque não sermos iguais, se um dia para lá iremos ?    Não pise em ninguém, não oprima, não odeie, não faça o mal, ame, perdoe, entregue, compartilhe, ajude, estenda a mão, ofereça o que tem melhor, dê a face, enquanto a morte não vem.

João Batista, um exemplo de servo

SOMOS IDÊNTICOS AO REI DAVI

TEXTO : II SAMUEL 11.26,27

SE FIZESSEMOS UM LEVANTAMENTO DAS PESSOAS MAIS IMPORTANTES NA HISTORIA, DENTRE TODOS OS QUE CONHECEMOS/ CERTAMENTE DAVI OCUPARIA UM LUGAR DE HONRA/.   HOMEM SEGUNDO O CORAÇAO DE DEUS, VALENTE, PODEROSO REI DE ISRAEL, CUMPRIU IMPORTANTE PAPEL NA HISTORIA DE SEU POVO , SENDO UM INSTRUMENTO PODEROSO NAS MAOS DE DEUS PARA O CUMPRIMENTO DE SUA VONTADE.

DAVI ESCREVEU VARIOS SALMOS, DENTRE OS QUAIS O DE N. 23 QUE É UMA BELA POESIA CONHECIDO MUNDIALMENTE QUE RELATA A HISTORIA DO PASTOR E A OVELHA DE UMA FORMA BELA E VERDADEIRA.    FOI TAMBEM RESPONSAVEL PELA MORTE DE UM DOS HOMENS MAIS VIOLENTOS INIMIGOS DE SUA EPOCA, UM GIGANTE CHAMADO GOLIAS E QUE IMPORTUNAVA E INCOMODAVA A VIDA DO SEU POVO.   DAVI MATOU GOLIAS USANDO APENAS UMA ARMA SIMPLES QUE ATIRAVA PEDRAS.

DESDE PEQUENO, DAVI JÁ SE MOSTRAVA UM HOMEM VALENTE E CORAJOSO, QUANDO SEGUNDO ELE MESMO RELATA, PRA DEFENDER O REBANHO DE SEU PAI, MATAVA ANIMAIS FEROZES, COMO URSOS E LEOES. //// FOI UM BRAVO GUERREIRO VENCENDO INUMERAS GUERRAS, NO COMANDO DE SEU EXERCITO PODEROSO.

COMO VEMOS DAVI EM RELAÇAO A NOS..SERA QUE SOMOS MAIORES OU MENORES QUE ELE, PIORES QUE ELE, MELHORES QUE ELE…EU DIGO A VOCE QUE NENHUM DE NÓS É PIOR MELHOR MAIOR OU MENOR QUE ELE…MESMO NÃO SENDO CAPAZES DE REALIZAR TUDO O QUE ELE REALIZOU…

DIGO ISSO PORQUE O PONTO DE VISTA REAL DA VIDA HUMANA, SOMENTE DEUS TEM…SOMENTE ELE SABE E CONHECE CADA UM DE NÓS….E DESSE PONTO DE VISTA ELE NOS CLASSIFICA EXATAMENTE COMO DAVI……//E DO PONTO DE VISTA DE DEUS, HA PELO MENOS TRES COISAS QUE NOS RELACIONAM A DAVI…..

I – ESTAMOS SUJEITOS AS QUEDAS E PORQUE ISSO ?   A NATUREZA HUMANA NÃO É PERFEITA…A QUEDA DE ADAO NOS LEVOU TODOS PARA O MESMO ABISMO…SOMOS TODOS DO MESMO PO…SALMO 58.3..

E NO VERSICULO 5 DO SALMO 51, ELE DECLARA QUE FOI CONCEBIDO EM PECADO…..O QUE SIGNIFICA ISSO…SIGNIFICA QUE DAVI ENTENDE A CONDIÇAO DO HOMEM..ELE SABE QUE TODOS HERDARAM A MESMA NATUREZA CAIDA DE ADÃO….E PORTANTO SÃO PECADORES…

PAULO EM SUA CARTA AOS ROMANOS CAP. 3.10 DIZ QUE NÃO HÁ JUSTO NEM UM SEQUER….NEM HOMEM NEM MULHER…E NA CARTA AOS EFESIOS 2.1 DIZ QUE O HOMEM ESTA MORTO EM SEUS DELITOS E PECADOS….

- E  NÃO É DIFICIL PERCEBER ISSO NA PRATICA….O PECADOR NÃO PRECISA FAZER FORÇA PRA PECAR…ELE PECA NATURALMENTE…ISSO JÁ É PROPRIO DE SUA NATUREZA…NINGUEM FORÇA NINGUEM A PECAR….

- E OS FATOS QUE VEREMOS AQUI NOS FARÃO COMPREENDER QUE DAVI MESMO SENDO REI, COMPROMETIDO COM DEUS, UNGIDO POR ELE, SEGUNDO O SEU CORAÇAO, POR SER PECADOR COMO QUALQUER UM DE NÓS VAI CAIR…E DEUS JAMAIS FOI NEM SERA O CULPADO DE SUA QUEDA…

- VEREMOS ENTAO QUE DAVI VAI DAR ALGUNS PASSOS QUE O LEVARÃO A QUEDA..O PRIMEIRO DELES É DEIXAR DE ESTABELECER PRIORIDADES ESSENCIAIS...QUE NAQUELE MOMENTO SERIA ESTAR NA GUERRA, LUTANDO JUNTO COM SEU EXERCITO….ELE DEVERIA ESTAR LA..

 VEJAM A PARTIR DO VERSICULO 1 ERA COMUM E HONROSO, OS REIS ACOMPANHAREM SEUS EXERCITOS NOS LONGOS PERIODOS DE GUERRA, ESTAREM A FRENTE DO SEU EXERCITO COMANDANDO A SUA TROPA…

NO ENTANTO ELE FICA EM CASA…TRANQUILAMENTE ACOMODADO EM SEUS APOSENTOS…..// ELE POUCO SE IMPORTA EM ESTAR JUNTO COM SEUS SOLDADOS…COM SEU POVO….LUTANDO COM ELES…VIBRANDO COM ELES….GUERREANDO….E ATE CHORANDO AS SUAS PERDAS….

- DAVI É UM HOMEM ACOSTUMADO A VENCER….DEUS É COM ELE….EM TODAS AS BATALHAS ELE É VENCEDOR…ISSO DEVE TER CAUSADO EM DAVI UM ESPIRITO DE ORGULHO….PRESUNÇAO….ARROGANCIA….SENSAÇAO DE PODER….QUE TOMOU PARTE DO SEU CORAÇAO E O LEVOU A QUEDA.

 

- AS VEZES NÓS NOS ACOMODAMOS DIANTE DO QUE TEMOS RECEBIDO DA PARTE DE DEUS…FOMOS SALVOS POR ELE…SOMOS ABENÇOADOS POR ELE..TEMOS SUA MAO NOS AMPARANDO..NOS GUIANDO.///NOS DANDO VITORIAS…E ISSO NOS LEVA AO COMODISMO…E PODE CAUSAR EM NÓS PREJUIZOS INCALCULAVEIS…COMO FOI COM DAVI..

VEJA O VERSICULO 2….O SEGUNDO PASSO PRA QUEDA…ELE ESTA DESPREPARADO PARA ENFRENTAR O MAL…O PRAZER FALA MAIS ALTO../// ANDAVA PASSEANDO PELO TERRAÇO….SOZINHO…..NA OCIOSIDADE…SABE-SE LA O QUE ESTAVA PENSANDO….E DE REPENTE SE DEPARA COM UMA CENA QUE LHE CHAMA A ATENÇAO…..

UMA MULHER MUITO FORMOSA QUE SE BANHAVA A SUA FRENTE….E NÃO PENSA DUAS VEZES….OLHA DESEJOSAMENTE PARA AQUELA MULHER SENTIDO PRAZER NO QUE VÊ.////ELE SE SENTE ATRAIDO POR ELA…

- O VERSICULO 3 NOS LEVA AO TERCEIRO PASSO…A CORAGEM PARA TRAIR A CONFIANÇA DE DEUS…DAVI JÁ NÃO SE PREOCUPA MAIS COM A PRESENÇA DE DEUS…..ELE ESTA SO…NINGUEM POR PERTO…A CIDADE VAZIA…O POVO TODO PRA GUERRA….ELE DESEJA AQUELA MULHER….

VERS. 4….AQUI ELE DA OS ULTIMOS E DEFINITOS PASSOS PRA QUEDA…DIANTE DAQUELA BELEZA EXUBERANTE ELE SE ENTREGA AO SEU ARDOROSO DEJEJO E MANDA BUSCA-LA…ELE PERDE O RESPEITO DEFINITIVAMENTE…ELE NÃO MEDE AS CONSEQUENCIAS…E SE AFUNDA CADA VEZ MAIS NO PECADO.//// E O PIOR DAVI AGORA JÁ SABE QUE AQUELA É A MULHER DE URIAS SEU MELHOR E MAIS FIEL ESCUDEIRO……

- E ISSO VAI LEVANDO DAVI CADA VEZ MAIS PRO FUNDO DO POÇO……AGORA ESTA AFUNDADO DE VEZ…. EM QUEDA LIVRE….DEPOIS DE OLHAR, DESEJAR, SE APROXIMAR, AGORA ELE CONCRETIZA O ADULTERIO E NO   VERSICULO 5 O RESULTADO DISSO..UMA GRAVIDEZ INDESEJADA.

- SIM..ELE NÃO PENSOU QUE A MULHER FOSSE ENGRAVIDAR….E POR ISSO  AGORA VAI TENTAR CONVENCER URIAS A TODO CUSTO QUE VA ATE SUA CASA, AO ENCONTRO DE SUA MULHER E FIQUE COM ELA…..

- E SE URIAS TIVESSE IDO DAVI TERIA UM BOM MOTIVO PARA JUSTIFICAR SEU ERRO… / MAS OBSERVE O VERSICULO 10….URIAS RESISTE…E NÃO VAI CEDER AO DESEJO DE  DAVI…

- DAVI AGORA INTERPRETANDO UM PERSONAGEM VAI APARENTAR ALGUEM QUE ESTA PREOCUPADO COM O BEM ESTAR DE URIAS..E QUER FAZE-LO ENTENDER ISSO…////VAI URIAS, DEIXA DE SER BOBO…SUA MULHER O ESPERA…ELA O AMA…RAPAZ, ME OUÇA, EU QUERO O MELHOR PRA VOCE..

- NA VERDADE O QUE DAVI QUER E RESPONSABILIZAR URIAS PELO ATO QUE ELE COMETERA COM SUA MULHER…/////DAVI AGORA USA A MASCARA DA HIPOCRISIA….A MESMA QUE NÓS MUITAS VEZES USAMOS…..QUANDO TRAIMOS A CONFIANÇA DE ALGUEM…QUEREMOS AGRADA-LO…

- FAZEMOS AS PESSOAS PENSAREM QUE SOMOS BONS…BOAS INTENÇOES, BONS CONSELHOS..MAS NO FUNDO NÃO É NADA DISSO….O QUE QUEREMOS MESMO É JUSTIFICAR NOSSOS ERROS COM BOAS AÇOES….NOS PASSANDO POR PESSOAS PIEDOSAS…CHEIAS DE AMOR….

- MAS VEJA OS VERSICULO 11 AO 13…URIAS ESTAVA IRREDUTÍVEL.   DAVI ENTÃO PERDE A PACIENCIA.   E COMO ALGUEM QUE JAMAIS CONHECEU A DEUS, VAI DAR O GOLPE FINAL….UM HOMEM EM QUEDA LIVRE…DISTANTE DE SEU DEUS…

- COMO VIU QUE URIAS NÃO MUDARIA DE OPINIAO, ELE MANDA JOABE COLOCÁ-LO A FRENTE DA CAVALARIA.    VERSICULO 17 O POBRE COITADO MORREU SEM DIREITO DE DEFESA…COVARDEMENTE ASSASSINADO…E DAVI FEZ ISSO CONSCIENTEMENTE…PENSANDO FAZER A COISA CERTA…..

- E PARA COMPLETAR, DO VERS. 26 EM DIANTE…DAVI RESOLVE LEVAR BETE SEBA PARA O PALACIO…ISSO LHE PARECIA BOM////////////////////.EU PERGUNTO….PORQUE COM DAVI….SE ELE ERA TAO CHEGADO E AMIGO DE DEUS….PORQUE COM DAVI..UM HOMEM QUE FOI CAPAZ DE ESCREVER TANTOS SALMOS MARAVILHOSOS..PORQUE COM ELE…

PORQUE COM DAVI SE DEUS MESMO O HAVIA SEPARADO E UNGIDO REI EM ISRAEL..PORQUE COM DAVI SE ELE CONHECIA A LEI…E SABIA O QUE DEVERIA SER FEITO PARA AGRADAR A DEUS…PORQUE COM DAVI…..A RESPOSTA É SIMPLES…PORQUE DAVI ERA DO MESMO PO QUE TODOS NOS….E QUE POR ISSO MESMO, ESTAVA SUJEITO AS MESMAS PAIXOES…

II – ESTAMOS SUJEITOS AS MESMAS PUNIÇÕES SOFRIDAS POR ELE

DAVI AGORA ESTA NUMA SITUAÇAO DIFICIL..ELE COMETEU VARIOS PECADOS…E COMO CONHECEDOR DA LEI DE DEUS, DO CARATER DE SEU DEUS ELE LA NO SEU INTIMO SABE O QUE O ESPERA….NO SALMO 32 DAVI NOS REVELA QUE DURANTE ALGUM TEMPO ESCONDEU SEU PECADO…

 

- MAS VEJA O CAPITULO 12 VERS. 1 AO 6..DEUS VAI ENVIAR O PROFETA NATÁ QUE VAI REVELAR O SEU PECADO.  E FARA ISSO SEM FORÇAR A BARRA..SIMPLESMENTE PELA CONSCIENCIA…DEUS CONHECE O CORAÇAO DE DAVI…SABE QUE DAVI E UM HOMEM JUSTO…E QUE NÃO ADMITE A INJUSTIÇA…E AO OUVIR O PROFETA ELE NÃO RESISTIRA E CONFESSARA….

- E DAVI DIZ QUE O HOMEM QUE FEZ AQUILO DEVERIA MORRER….ISSO NÃO SE FAZ…ONDE JÁ SE VIU…UM HOMEM TAO RICO, COM TANTAS OVELHAS, TER QUE MATAR A ÚNICA OVELHA DE SEU PROXIMO PARA AGRADAR SEUS CONVIDADOS…INTERESSANTE COM DAVI SE PARECE CONOSCO…..ELE SABE O QUE É CERTO…ELE JULGA E CONDENA ESSE HOMEM DA HISTORIA…

AS VEZES JULGAMOS E CONDENAMOS AS PESSOAS POR ERROS QUE NÓS ESTAMOS CANSADOS DE COMETER….E AI SOMOS EXATAMENTE IGUAIS A DAVI…SABEMOS O QUE É CERTO…MAS NÃO PRATICAMOS…..NAO QUEREMOS SER JULGADOS…MAS JULGAMOS QUEM COMETE OS MESMOS…

O PROFETA ENTÃO LHE DIZ..ESSE HOMEM É VOCE DAVI…VOCE FEZ ISSO….DEUS LHE DEU TUDO….PODER, FAMA, MULHERES…VOCE TINHA TANTAS OPÇOES…E O QUE VOCE FEZ….DESTRUIU UM LAR COMPLETAMENTE..TOMOU A ÚNICA MULHER DE SEU MAIS FIEL SOLDADO.

VEJAM VOCES O QUE É PEDAGOGIA DE DEUS….COMO ELE NOS LEVA A UMA PROFUNDA REFLEXAO, SEM FORÇAR, SEM INVADIR A PRIVACIDADE….O ESPIRITO DE DEUS ESTAVA AO REDOR DE DAVI O INCOMODANDO, O PERTURBANDO, PRA QUE ELE CONFESSASSE…

- VOCE JÁ FOI INCOMODADO POR DEUS….O ESPIRITO SANTO TEM AGIDO EM VOCE…..ELE TE FAZ REFLETIR SUAS ATITUDES…..O QUE VOCE SENTE QUANDO LE A BIBLIA…TEMOR..TREMOR..OU INDIFERENÇA…OU NADA…

SE VOCE É ALGUEM QUE ESTA NA MESMA CONDIÇAO DE DAVI, E LE A BIBLIA COM ATENÇAO E CONHECE DEUS, SAIBA QUE NÃO ADIANTA FUGIR DE SUA PRESENÇA….DAVI SENTIU NA PELE O PESO DAS MAOS DE DEUS..      VEJA OS VERSICULOS 10,11 E 12 DO CAPITULO 12…- QUEM SABE REALMENTE QUEM É DEUS E O CONHECE DE PERTO,  PODE ESTAR CERTO DE QUE TODO O PECADO COMETIDO TERA UMA CONSEQUÊNCIA.

- NO CASO DE DAVI DEUS LHE DISSE QUE ASSIM COMO ELE PECOU MATANDO INJUSTAMENTE UM HOMEM, E LHE TOMANDO SUA ESPOSA, AGORA A ESPADA JAMAIS SE APARTARIA DE SUA CASA…

- VEJA A PARTIR DO  VERSICULO 15 DEUS VAI COMEÇAR A CUMPRIR ISSO…..O FILHO QUE DAVI TEVE COM BATE SEBA HAVIA SIDO FERIDO DE MORTE..DEUS NÃO ESTAVA BRINCANDO COM DAVI….E AI VEMOS NO VERSICULO 18 A MORTE DE SEU FILHO….FOI TRISTE..MAS NECESSARIO…

- QUERO DIZER A VOCE….NAO ESPERE UMA TRAGEDIA MAIOR NA VIDA…..CONFESSE A DEUS SEUS PECADOS….SE PECAMOS, ESTEJAMOS CONSCIENTES QUE HAVERÁ CONSEQUÊNCIAS, E QUANTO MAIOR O PECADO MAIOR A CONSEQUENCIA.

E SE CONTINUARMOS A LER O LIVRO, NO CAPITULO 13 VEREMOS MAIS AINDA.      VOCE VERÁ ISSO A PARTIR DO VERSICULO 1 ATÉ O 14 DO CAPITULO 13…..      

- DEUS TOCOU EM ALGO PRECIOSO NA VIDA DE DAVI.    SUA FAMILIA ESTAVA TOTALMENTE ARRASADA.   FORAM DURAS CONSEQUENCIAS SOFRIDAS POR DAVI DENTRO DA PROPRIA CASA..

AMNON ESTUPRA TAMAR, ABSALAO MATA AMNON PARA SE VINGAR E DEPOIS O PROPRIO ABSALÃO É MORTO NUM CONFRONTO COM O EXERCITO DE DAVI///E FINALMENTE ADONIAS TAMBEM MORRE FRUTO DESSE PECADO. O PECADO PROVOCA TRAGEDIAS.  DESDE AS PEQUENAS ATE AS MAIORES.

- NÃO PODEMOS PENSAR QUE DEUS MUDOU…ELE CONTINUA PUNINDO HOJE…..QUANTOS PAIS TEM QUE CONVIVER COM FILHOS REBELDES, DESOBEDIENTES, SEM AMOR, DESAFEIÇOADOS.   FOGEM DA IGREJA…ENVOLVEM-SE EM VICIOS….PROSTITUIÇAO…E ESTAO ENVOLVIDOS EM TANTA COISA ERRADA…/////.É O JUIZO DE DEUS QUE É JUSTO E PUNE O PECADOR…

- NÃO QUERO DIZER COM ISSO QUE TODOS OS PROBLEMAS FAMILIARES SEJAM CONSEQUÊNCIA DISSO.    CLARO QUE NÃO….AS VEZES DEUS PERMITE O SOFRIMENTO PARA NOSSO PROPRIO CRESCIMENTO……MAS DIANTE DAS PROMESSAS DE DEUS EM PUNIR O PECADO É BOM PENSAR….ONDE TENHO FALHADO…SERA QUE TENHO TIDO PRAZER EM PECAR…..SERA QUE NÃO ESTOU NO MESMO CAMINHO PERCORRIDO POR DAVI…AINDA TENHO TEMOR DE DEUS…TENHO CONFESSADO TUDO A DEUS.

SALMO 7.11 DIZ QUE DEUS É JUSTO JUIZ..E TODOS OS DIAS SENTE INDIGNAÇAO…   NÃO SE PODE BRINCAR COM DEUS………..SE VOCE TEM PECADO E ESCONDIDO ISSO DE DEUS, CONFESSE…SOFRA A PUNIÇAO DE DEUS..É MELHOR SER PUNIDO POR ELE..QUE SOFRER ETERNAMENTE NO INFERNO…

EM HEBREUS 12.5-8 DIZ QUE DEUS CORRIGE AQUELE A QUEM AMA É COMO UM PAI QUE PUNE O FILHO PELO ERRO….MAS QUE JAMAIS DEIXA DE AMA-LO….O DESEJO DO PAI É VER O FILHO PRONTO A OBEDECE-LO..

ASSIM O DESEJO DE DEUS É QUE O PECADOR SE ARREPENDA…SE VOLTE PARA ELE COM O CORAÇAO QUEBRANTADO..//////..E FOI ISSO O QUE ACONTECEU A DAVI.   DEPOIS DE TUDO ISSO ELE SE VOLTA PRA DEUS..E O OLHAR GRACIOSO DE DEUS O CONVIDA A RETORNAR…E SE ARREPENDER..

IIISOMOS ALVOS DA MESMA GRAÇA – ISAIAS CAPITULO 1 VERSICULO 19 DIZ EM OUTRAS PALAVRAS QUE O PECADO PODE SER O MAIS TERRIVEL, O MAIS SANGRENTO, O MAIS VIOLENTO, MAIS CRUEL…DEUS PERDOA..I JOAO 1.9..DIZ QUE SE PECAMOS E LOGO CONFESSAMOS ELE É FIEL E JUSTO PARA NOS PERDOAR…ELE TEM PRAZER NISSO….ELE DESEJA NOS PERDOAR..

- AQUELES QUE SE HUMILHAM…RECONHECEM SEU ERRO E SE VOLTAM PRA DEUS, SERAO PERDOADOS…E DEUS JAMAIS LHE COBRARA ESSA DIVIDA NOVAMENTE….LAMENTAÇOES 3.22 DIZ QUE AS MISERICORDIAS DO SENHOR SÃO A CAUSA DE NÃO SERMOS CONSUMIDOS…E DIZ MAIS…ELAS NÃO TEM FIM…SE RENOVAM A CADA MANHÃ……

HOJE É TEMPO DE SE VOLTAR PRA DEUS…..E RECONHECER O ERRO E PEDIR PERDÃO…FAZER COMO DAVI….NUMA ATITUDE DE TOTAL ARREPENDIMENTO…VEJAMOS O VERSICULO 13 DO CAPITULO 12…

- AQUI VEMOS DAVI RECONHECENDO DE SEU ERRO.         E NO MESMO INSTANTE NATÃ O PROFETA DE DEUS DIZ A DAVI QUE ELE O HAVIA PERDOADO.   HOJE TEMOS A PALAVRA DE DEUS DIRETAMENTE NOS FALANDO E NOS CONFRONTANDO COM NOSSOS PECADOS.  NÃO HÁ COMO FUGIR DO QUE A PALAVRA NOS DIZ…O PECADO FAZ SEPARAÇAO ENTRE NOS E DEUS..E NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE COMUNHAO ENTRE A LUZ E AS TREVAS…

- NOSSA ATITUDE É FUNDAMENTAL EM RELAÇÃO AO PERDÃO DE DEUS.   DAVI SE HUMILHOU E PEDIU PERDÃO SINCERAMENTE.    E HOJE NA MAIORIA DE SEUS SALMOS SOMOS ENCORAJADOS A NOS PROSTRAR DIANTE DE DEUS ROGANDO-LHE O PERDÃO.

- DEIXANDO DE LADO A HIPOCRISIA, A FALSIDADE…DEUS ESPERA DE NÓS UMA CONFISSÃO SINCERA…DE CORAÇAO CONTRITO..QUEBRANTADO…

- ESSA TEM QUE SER NOSSA ATITUDE DIANTE DE DEUS.         O TOMARMOS A INICIATIVA DE PEDIR PERDÃO EVIDENCIA NOSSA HUMILDADE.         DEUS PODERIA NOS PERDOAR AUTOMATICAMENTE, AFINAL CRISTO JÁ PAGOU O NOSSO PREÇO E QUITOU NOSSA DIVIDA.   NÃO LHE DEVEMOS MAIS NADA.

- MAS É NECESSÁRIO AGIRMOS TOMAR INCIATIVA E NOS ACHEGARMOS A ELE CONVICTOS DO ERRO COMETIDO, E RELATAR TODAS AS NOSSAS FALHAS.         CERTAMENTE QUANDO FAZEMOS ISSO ELE É FIEL E JUSTO PARA NOS PERDOAR.

- ALGUEM DISSE COM MUITA SABEDORIA….ARREPENDER-SE SIGNIFICA ODIAR AQUILO QUE ANTES AMÁVAMOS E AMAR O QUE ANTES ODIÁVAMOS.     TENHAMOS CUIDADO COM O ARREPENDER SINCERO…   O REMORSO É UM SENTIMENTO MUITO PARECIDO COM ARREPENDIMENTO MAS NÃO GARANTE O PERDÃO DE DEUS.

- REMORSO SE MISTURA COM A EMOÇÃO E PROMOVE ATÉ O CHORO, MAS NÃO REVELA O CORAÇAO..O REMORSO MASCARA O ARREPENDIMENTO…ELE ENCOBRE A SINCERIDADE…ELE DESVIA O INTERESSE DO PECADOR E CONSEQUENTEMENTE ERRA NOVAMENTE O ALVO…

- JUDAS ISCARIOTES, DEPOIS DE TRAIR JESUS, SENTIU REMORSO, PORÉM NÃO SE ARREPENDEU.  PEDRO AO CONTRÁRIO, QUE HAVIA TAMBEM TRAIDO JESUS, COMPREENDEU O QUE ERA ARREPENDER-SE, LOGO APÓS SUA NEGAÇÃO A CRISTO.    SE REVELOU…SE ABRIU…RECEBEU O PERDÃO…

- -DA MESMA FORMA QUE DAVI DESCEU OS DEGRAUS ATÉ O MAIS PROFUNDO ABISMO DO PECADO ELE AGORA VAI FAZER O CAMINHO DE VOLTA…..ELE DESCEU OS DEGRAUS DE UMA ESCADA QUE QUASE O LEVOU A MORTE…MAS AGORA ELE ENXERGA QUE HÁ UM CAMINHO DE VOLTA..

- O RELATO QUE DAVI FAZ NO SALMO 51 NOS ENSINA O CAMINHO INVERSO QUE ELE PERCORREU…E FOI O PROPRIO DEUS QUEM LHE PROPORCIONOU ESTA GRAÇA…////NOS PRIMEIROS VERSICULOS DO SALMO 51 NOS VEMOS….

- DEUS PRODUZ EM DAVI UM SENSO DE DEPENDENCIA..ELE DIZ PURIFICA-ME..TEM MISERICORDIA DE MIM..POR TUA GRANDE COMPAIXAO///ELE ADMITE SEU PECADO..PEQUEI CONTRA TI, CONTRA TI SOMENTE..///RECONHECE A JUSTIÇA DE DEUS EM PUNI-LO…ELE DIZ SERAS TIDO POR JUSTO NO FALAR E PURO NO JULGAR////..

- ELE RECONHECE QUE SOMENTE DEUS PODE PERDOA-LO E PURIFICA-LO..E DIZ PURIFICA-ME COM HISSOPO…E FICAREI LIMPO…COMO A NEVE..////.E ENTÃO DAVI É PLENAMENTE RESTAURADO POR DEUS A COMUNHAO.//.ESTA APTO NOVAMENTE A SEGUIR EM FRENTE, REALIZANDO A OBRA DE DEUS…

CONCLUSAO.

- SOMOS COMPLETAMENTE IGUAIS A DAVI…VIEMOS DO MESMO PÓ…TEMOS A MESMA NATUREZA….SENTIMOS AS MESMAS COISAS…ESTAMOS SUJEITOS AS MESMAS PAIXOES E QUEDAS…../// DAVI CAIU..FOI AO FUNDO DO POÇO….A BEIRA DO ABISMO….ESCONDEU SEU PECADO….VIU QUE NÃO COMPENSAVA AGIR ASSIM….E LOGO OS CONFESSOU A DEUS…

- EU PERGUNTO A VOCE..VOCE TEM NOÇAO DE QUEM VOCE E…SABE A QUE ESTA SUJEITO…AS MAIS VERGONHOSAS QUEDAS…TALVEZ NÃO CAIA COMO DAVI…QUEM SABE SEJA MENOS DOLOROSA…QUERO LHE DIZER..NAO IMPORTA O TAMANHO DE SEU PECADO….ELE DEVE SER CONFESSADO. /////////DEUS DESEJA OUVIR DA SUA BOCA QUE VOCE SENTE VERGONHA DO QUE ESTA FAZENDO OU JÁ FEZ… DESEJA PERDOAR VOCE…E LHE DEVOLVER A ALEGRIA DA SALVAÇAO…E HABILITAR VOCE AO MINISTERIO..FAZENDO DE VOCE ALGUEM TAO IMPORTANTE QUANTO DAVI….DAVI CONFESSOU SEU PECADO..DEUS O PERDOOU…CONFESSE A ELE…RECEBA TAMBEM…

AUTOR : FALCÃO

« Older entries

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 940 outros seguidores